Leitor, agora é com você! – parte 2

Imagem ilustrativa - emails e caixas de comentários

Nossos leitores continuam colaborando com histórias para nosso blog. Selecionamos mais três para este post, duas até bem parecidas. Divirtam-se!

Pedindo um trocado
Contada por Sergio Castelo

Um belo dia, Sergio esperava seu pai pacientemente na porta do trabalho, sentado em sua cadeira de rodas, quando uma senhora passou por ele e pediu um trocado. Procurou nos bolsos e achou algumas moedas que entregou a ela. A senhora, agradecida, foi se afastando lentamente. Mas para a surpresa de Sergio, logo em seguida ela parou, se voltou para ele e retornou perguntando:
– O senhor não quer ir comigo ali na Central, não? Com essa sua cadeira aí iríamos arrumar um bom dinheiro!!!

. . .

Pior do que mendigo
Enviada por Rose Vieira

Rose estava sozinha em casa, quando a campainha tocou. Ao abrir a porta, se deparou com um mendigo. Desconcertado, ele ficou olhando para sua cadeira de rodas sem falar nada. Depois de alguns segundos de silêncio, para quebrar o gelo, Rose resolveu que era melhor perguntar logo o que ele desejava. O mendigo, nitidamente envergonhado, começou a pedir desculpas seguidamente. Sem entender nada, Rose quis saber o porquê de tantos pedidos de desculpas.
– Poxa… – respondeu o mendigo – Eu vim aqui pedir ajuda e encontro alguém pior do que eu…
Sem pensar duas vezes, Rose mandou o mendigo para aquele lugar “bem legal” e bateu com a porta na sua cara. Mas não resistiu, e caiu na gargalhada logo em seguida!

. . .

A sacolinha
Aconteceu com Flávio de Azevedo Lucci

Certo dia, Flávio e sua esposa precisaram ir ao banco efetuar um pagamento. Logo de cara se depararam com a famosa porta giratória. Impedido de entrar com sua cadeira de rodas, pediu à sua cara metade que resolvesse o assunto enquanto esperava do lado de fora.
Passariam no correio em seguida, por isso Flávio levava consigo algumas cartas dentro de um saco plástico. Ele trajava ainda sapatos velhos, calção de banho e uma camiseta surrada, pois seguiriam para a natação depois.
Assim que saiu do banco, sua esposa depositou o troco do pagamento na tal sacolinha e já se preparavam para continuar seu caminho, quando notaram uma senhora muito distinta se aproximando, com a mão estendida na sua direção, oferecendo duas notas de um real.
Educadamente dispensaram a “ajuda” e apressaram o passo, ambos com cara de tacho. Só depois de relaxados e alguns metros adiante, conseguiram dar boas risadas do acontecido.
Mas Flávio já tem uma solução para não passar mais por isso. Resolveu que vai adotar a alta tecnologia e espantar impressões equivocadas, comprando uma “motoquinha” elétrica e um elegante roupão para fazer pose de bacana!

. . .

Você conhece ou já vivenciou alguma história desse tipo? Então, mande pra gente. Pode ser através da caixa de comentários ou do e-mail: maonaroda.blog@gmail.com.
Participe!

Comentários

Comentários

5 comentários em “Leitor, agora é com você! – parte 2

  • domingo, 24 de fevereiro de 2008 em 14:28
    Permalink

    Sei de uma historinha que li num jornal há mais de vinte anos, quando eu militava no movimento de luta das pessoas deficientes (continuo militando, mas na luta dos surdos).
    Era dia de jogo no Maracanã.
    Pela primeira vez, no entorno daquele estádio, foi colocada uma placa indicando permissão para estacionamento de cadeirantes.
    Bem antes do jogo, os policiais militares começaram a chegar para preparar o policiamento.
    Cedo, também chegou um cadeirante, que, ao ver a placa com o símbolo internacional, resolveu aproveitar a oportunidade de estacionar.
    Próximo dali, um PM viu e se aproximou, dizendo ao cadeirante: "Moço, não pode parar aqui, não".
    O cadeirante tentou argumentar: "Mas a placa…".
    O PM, sem esperar o fim da frase, interrompeu, respondendo: "Não. Isso aí [apontando para a placa] significa carga e descarga de deficientes" (sic!).
    Foi dose!!
    No mínimo, era de se esperar que o tal PM tirasse dúvida com seu superior sobre o significado da placa. Né, não?

    Resposta
    • domingo, 24 de fevereiro de 2008 em 14:28
      Permalink

      Carga e descarga de deficientes… o que será que ele quis dizer com isso? História anotada. Se você permitir a gente publica depois! Abs, Bianca

  • segunda-feira, 25 de fevereiro de 2008 em 15:12
    Permalink

    Já dei boas risadas com a história do banco. Da próxima vá de terno, sapado de pele de jacaré e pasta 007. kkkkkkkkkkkk

    Resposta
    • segunda-feira, 25 de fevereiro de 2008 em 15:12
      Permalink

      E o pior é que volta e meia esse tipo de coisa acontece por aí. Só rindo pra não chorar, né? Abs, Bianca

  • terça-feira, 1 de fevereiro de 2011 em 11:02
    Permalink

    Ola, estava procurando o simbolo para defisiente fisico e encontrei essa pagina e gostaria de fazer uns comentarios.
    Eu tenho esclerose multipla, nao sou caderante, mas tenhop dificuldade para caminha, e eu estava querendo começar um movimento para explicar a populaçao que o simbolo de um homenzinho sentado na cadeira nao siguinifica que e so caderante e tambem para portadores de deficiencia fisica gostaria de poder contar com voces.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Connect with Facebook

Pin It on Pinterest