Hotel Pequena Suécia – Penedo

vista do chalé 14

Aproveitei o último feriado para visitar Penedo, no interior do estado do Rio. Toda vez que vou viajar, fico naquela dúvida, tentando imaginar se o local vai ter o mínimo de acessibilidade, se o hotel é o que realmente dizem, enfim, se vou curtir ou ter que me preocupar com uma série de barreiras arquitetônicas.

Logo ao chegar em Penedo, passamos pelo "centrinho" da cidade, onde ficam o Shopping Pequena Finlândia, diversos restaurantes e toda turistada. Essa região é um misto de acessível com inacessível. A maior parte dos estabelecimentos possui rampa na entrada, mas são poucas as calçadas onde consegue-se circular com a cadeira. Em alguns trechos, elas simplesmente não existem e é necessário disputar espaço com os carros que cruzam a estrada. Dentro do tal shopping, a coisa melhora bastante. Há rampas em tudo quanto é canto – apesar de algumas estarem obstruídas – e banheiros adaptados.

Como fomos de carro, aproveitei também para levar minhas super rodas de viagem. Hã??? Sim, minhas rodas especiais de viagem. Toda vez que vou para um hotel e não tenho certeza de que ele tem portas largas o suficiente, levo um par de rodas extra com cubos estreitos e sem o aro de impulsão. Assim, minha cadeira fica bem estreita (menos de 55 cm de largura total) e consigo passar em qualquer porta convencional.

entrada do chalé 14Felizmente, elas não foram necessárias. Ficamos no Hotel Pequena Suécia e, apesar do nosso chalé (número 14) não ser adaptado, para mim ele era bastante acessível. Sua entrada possui rampa e porta com 70 cm de vão livre. Dentro, o espaço era amplo e a cadeira circulava com tranqüilidade pela salinha, quarto e varanda, super agradáveis. Vale citar apenas o pequeno ressalto que existe entre o quarto e a sala, com cerca de 3cm de altura. Ah, o quarto tinha lareira – assim como todos os outros do hotel – , mas não fui competente o suficiente para conseguir acendê-la. Espero que isso não tenha abalado meu namoro ;).

ante-sala do chalé 14O banheiro era espaçoso e a porta bastante larga, com 80 cm de largura – mais larga do que a da entrada. Como não existia box, era moleza chegar perto do chuveiro com a cadeira e pular para uma de plástico, daquelas de jardim e piscina, para tomar banho.  Algumas coisas poderiam ser melhoradas: a altura do espelho e do suporte para sabonete e shampoo, além da colocação de barras de apoio próximas ao vaso e chuveiro. Mas como disse, o hotel sabe que o quarto não é adaptado. Eu apenas tinha recebido a recomendação de amigos andantes que achavam que eu não teria problemas de acesso e perguntei à recepção – muito solícita! – se algum dos quartos poderia ser usado por um cadeirante.

banheiro do chalé 14

As áreas comuns do hotel são mais ou menos acessíveis. Há rampas – ainda que estreitas e sem corrimão – e caminhos pavimentados entre o chalé 14 e o edifício principal, onde ficam a recepção e o local onde é servido o café da manhã. Também é comum encontrar um degrau – mas não mais do que isso – no fim de cada pequeno caminho pavimentado, como os que vão para a piscina e a sauna. Resumindo: com uma pequena ajuda, dá pra chegar em quase todos os cantos da pousada. Ah, ao lado da piscina está o restaurante do hotel, o Jazz Bistrô, que também oferece shows de Jazz nos finais de semana.

quarto e varanda do chalé 14Mas gostei mesmo foi ficar de papo pro ar nas varandas, ouvindo os passarinhos e insetos que habitam o bosque em redor, namorando, lendo um bom livro – o hotel possui biblioteca própria – e até mesmo escrevendo um texto como esse em um notebook. Ah, o hotel oferece uma rede Wi-Fi e um micro na biblioteca para os que não conseguem ficar desconectados por muito tempo.

Chato é se despedir disso tudo e voltar para o Rio. Não que eu desgoste da Cidade Maravilhosa, mas passar uns dias descansando e longe do trânsito e agitação cariocas faz um bem danado! 

 • • •

Pontos positivos: Pontos negativos:

• Quarto espaçoso
• Rampas em quase todos os acessos
• Banheiro com porta ampla (80 cm) e sem box

• Falta de barras de apoio no banheiro
• Altura das prateleiras e espelho do banheiro
• Entrada do quarto apertada (70 cm)
• Piso do estacionamento irregular
• Rampas estreitas e sem corrimão

Avaliação: Regular
Avaliação regular

• • •

Hotel Pequena Suécia
Rua Toivo Suni, 33 – Penedo – RJ
Tel: (24) 3351-1275 / 3351-1343
http://www.pequenasuecia.com.br

Comentários

Comentários

Eduardo Camara

Se não está viajando, está pedalando. Muitas vezes, fazendo as duas coisas ao mesmo tempo.

8 comentários em “Hotel Pequena Suécia – Penedo

  • segunda-feira, 2 de junho de 2008 em 16:20
    Permalink

    Ótima dica Eduardo, entrei no site e é bem legal o lugar. Assim que sobrar um tempinho ($$$$$) vou visitar.
    Acho interessante divulgar lugares que mesmo não sendo adaptados, são capazes de nos receber.

    Resposta
    • segunda-feira, 2 de junho de 2008 em 16:20
      Permalink

      Oi Evandro! O lugar é super bonito e agradável mesmo. Apesar do $$$, vale a pena! Abraços, Eduardo.

  • terça-feira, 3 de junho de 2008 em 00:14
    Permalink

    Fala Dado,
    Realmente para fazer o fogo pegar na madeira é complicado… Usou jornal ?????
    A última vez que estive em Penedo, dei uma esticadinha na Pequna Suécia para comer um fondue. Excelente local.
    Abs.

    Resposta
    • terça-feira, 3 de junho de 2008 em 00:14
      Permalink

      Rapaz, usei jornal, álcool, folheto de propagando e tudo que pegava fogo e estava ao meu alcance. Foi um desastre total, eheheh! Abraços, Dado.

  • terça-feira, 3 de junho de 2008 em 09:01
    Permalink

    fique com duvida a respeito dessas super rodas de viagem, com cubos estreitos e sem aro de impulsão….. como vc movimenta ela sem o aro de impulsão?? poderia tirar uma foto para nós cadeirantes vermos??? obrigado desde já!!!

    Blog ótimoo =D

    Resposta
    • terça-feira, 3 de junho de 2008 em 09:01
      Permalink

      Oi Franklin! Tem que tocar segurando nos pneus mesmo, por isso só dar pra usar dentro de casa. E a maioria das pessoas não sabe, mas existem cubos com larguras diferentes. Dependendo do cubo, a cadeira pode ficar até 4cm mais estreita ou mais larga. Obrigado pelos elogios! Abraços, Eduardo.

  • sábado, 28 de agosto de 2010 em 11:06
    Permalink

    Caro Eduardo,
    Vai aí uma dica melhor, em Penedo!
    Na segunda semana de agosto, fui com a namorada para o hotel City Park. Lá encontramos um apartamento adaptado com um espaço amplo e um banheiro gigantesco(com barras de apoio e um box aberto, com dois chuveiros pra entrar a cadeira).
    Funcionários bem atenciosos que, inclusive, reservaram uma vaga em frete ao apartamento.
    O único problema é que, são duas camas de solteiro que equacionamos juntando os colchões.
    Ia até tirar umas fotos pra mandar pro blog…falha minha!
    Diárias a R$150,00, com café da manhã e pertinho de tudo…dá até pra ir tocando a cadeira!
    Um abraço a todos!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Connect with Facebook

Pin It on Pinterest