É tudo uma questão de postura e escolha – adendo da Cris

Pegando gancho no post da Bianca, "É tudo uma questão de postura e escolha", fiquei pensando o quanto a nossa atitude e postura influenciam em como as pessoas nos vêem também num segundo momento. Sim, porque acredito que, no caso dos deficientes, a primeira impressão não é a que fica. Lembro-me que uma vez, uma menina que trabalhava comigo disse ter pensado o seguinte, quando me viu pela primeira vez: "Hum, nem quero conhecer essa menina, ela deve ser pra baixo, triste…". Depois que me conheceu de verdade mudou completamente de opinião (ainda bem, rs) e entendeu que a deficiência não define se uma pessoa é feliz ou triste.

Enfim, pensando nisso lembrei-me do que aconteceu na minha faculdade. Estou fazendo uma graduação que tem uma parte virtual e outra presencial. Como não pude comparecer às primeiras aulas presenciais, acabei conhecendo todos só pela sala de aula virtual, disponibilizada pela faculdade. E apesar de termos a foto de todos ao lado de cada comentário (bem no estilo Orkut), só se vê o nosso rosto, então não teria como saberem que uso cadeira de rodas. Até que começaram os trabalhos de grupo e combinei de encontrar com o pessoal na faculdade. Cheguei a pensar se deveria comentar algo sobre ser cadeirante, mas achei que não fazia sentido eu chegar, do nada, e falar: "Ei, eu uso cadeira de rodas!". Achei que já me conheciam suficientemente bem pelos papos em sala de aula, e que a cadeira não seria relevante. Bom, conheci todos e foi tudo super tranqüilo. Acho que houve certo estranhamento, pois ninguém imaginava que eu era cadeirante. Mas também pode ter sido viagem minha e no fundo ninguém estranhou nada. Nunca se sabe!

Só sei que, se tivesse feito algum discurso do tipo: "olha gente, eu sou deficiente", e tivesse uma postura de que isso me incomoda, as pessoas me tratariam de forma diferente. E foi bem o contrário. Acredito que, se os próprios deficientes tivessem uma atitude "normal" em relação à deficiência, o preconceito seria menor. Afinal, o preconceito não está só no outro, mas na gente também.

4 thoughts on “É tudo uma questão de postura e escolha – adendo da Cris

  • 18 de dezembro de 2008 em 15:57
    Permalink

    Concordo com vc, Cris. Tem que ser mais natural este processo com as pessoas e não vai evoluir se este tipo de melindre resisitir. Há casos em que todos temos que nos identificar de alguma forma, dizer alguma característrica física de reconhecimento. Mas já chegar dizendo que usa cadiera de rodas ou muletas ou que se é cego, não é bem um referencial. Eu converso com as pessoas sobre meu namorado normalmente. Nisso, quando alguém descobre sempre replica: "Ué, seu namorado é cadeirante. Pq vc não disse!?". Ora, pq, para mim, meu namorado não é "um cadeirante". Meu namorado é simplesmente "Meu namorado". E se coloca tão naturalmente frente ao mundo q eu até esqueço de suas características físicas, das rampas e de todo o resto. Postura é tudo!

    Resposta
    • 18 de dezembro de 2008 em 15:57
      Permalink

      Também acho Jaqueline, primeiro vem a pessoa, nunca a deficiência ! Meu namorado tem a mesma postura que você, o que pra mim é o "ideal". Bjs, Cris.

  • 19 de dezembro de 2008 em 13:39
    Permalink

    Olá meu nome é Leandro,tenho 25 anos,moro em Barueri,SP,trabalho,estudo e sou CADEIRANTE.rsrs!!Estranho néh!!Concordo com vc na questao que o "deficiente",muitos sao mais preconceituosos que os ditos ‘normais".Se fazem de Óhhhh Coitado!!Beijos e sou super fã de vocês!!

    Resposta
    • 19 de dezembro de 2008 em 13:39
      Permalink

      Oi Leandro ! Infelizmente nem todos tem a mesma atitude. Que bom que gosta do Blog, seja bem vindo ! Bjs, Cris.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *