Aquele ali na cadeira de rodas!

“Atrás daquele careca.”
“À esquerda do altão ali.”
“Do lado do cara na cadeira de rodas.”

Com certeza você já ouviu as duas primeiras frases deste texto. Carecas, altos, gordinhos, cabeludos, todos podem servir, tranquilamente, como ponto de referência, concordam? Mas quando se trata de cadeirantes, a coisa muda um pouco de figura. O Dado diz que acha engraçado reparar no jeito sem graça das pessoas, quando querem se referir a alguém que usa cadeira de rodas, mas não acham as palavras certas. Existem palavras certas? Por que tentar se referir ao cadeirante como “aquele loirinho que trabalha na TI” ou “aquele cara que chegou atrasado na reunião da semana passada”, quando o mais fácil seria dizer, "o cadeirante da equipe de marketing". Alguém se ofenderia? É politicamente incorreto?

Confesso que eu mesma acho um pouco estranho falar assim. Da mesma forma que não gosto de me referir a pessoas acima do peso como “o gordinho do RH”. Não sei, me soa preconceituoso. Mas quando meu namorado cadeirante diz que acha engraçado ver as pessoas buscando palavras para se referirem a ele, ao invés de dizerem simplesmente “o carinha da cadeira de rodas do 5º andar”, percebo que deve ser besteira da minha cabeça.

Mas será que é assim que todos os cadeirantes pensam? E você? O que acha?

20 thoughts on “Aquele ali na cadeira de rodas!

  • 5 de janeiro de 2009 em 23:25
    Permalink

    Acho que eu não tenho nada contra, se não for dito de forma pejorativa. Afinal, é realmente a forma mais fácil de nos identificar, é o que chama mais atenção em nós, mesmo.

    Resposta
    • 5 de janeiro de 2009 em 23:25
      Permalink

      Tem razão, Heitor. Eu já meio que pensava assim e agora que vejo a confirmação de nossos leitores cadeirantes, estou convencida de que não tem problema nenhum usar a cadeira de rodas como referência. Contanto que seja feito de forma educada e com respeito. beijos, Bianca

  • 5 de janeiro de 2009 em 09:24
    Permalink

    Uma vez liguei no cabelereiro,
    Eu:Alô,é o Leandro,
    Atendente:Que Leandro?
    Eu:estive a pouco ai,estou retornando a ligaçao,para confirmar o horário…..
    Atendente:Ahhhh o Leandro da CADEIRA…..
    Nao sei se felizmente ou infelizmente,mas a cadeira de rodas se torna uma referencia para identificar a pessoa,eu particularmente nao me importo com isso,tanto que sou conhecido como LEANDRO KDEIRA.
    Bjos

    Resposta
    • 5 de janeiro de 2009 em 09:24
      Permalink

      Oi Leandro, adorei seu apelido! E acho muito legal vc lidar bem com isso. Acho que é por aí mesmo, se vc está bem com vc mesmo, qual o problema da cadeira viar referência, né? beijos, Bianca

  • 5 de janeiro de 2009 em 09:27
    Permalink

    Quando eu não era cadeirante, ouvia assim, "aquele ali, o gordinho…"
    Agora escuto dessa maneira "aquele LINDÃO de cadeira de rodas", rsrsrsrsrrs.
    Bom ano pra vcs!!

    Resposta
    • 5 de janeiro de 2009 em 09:27
      Permalink

      Melhorou bastante, né? Virou lindão e tudo! beijos, Bianca

  • 5 de janeiro de 2009 em 11:01
    Permalink

    Bianca, não sou cadeirante mas adoro sua coluna. Me divirto, aprendo e repenso na minha vida.
    Adoro vc!
    Bom ano pra todos.
    Alessandro Cadarso.

    Resposta
    • 5 de janeiro de 2009 em 11:01
      Permalink

      Oi Alessandro, fico muito feliz em saber que não-cadeirantes tb gostam do nosso blog! É muito bom que a gente consiga atingir todo tipo de leitor! Obrigada pelas visitas e pelo comentário! beijos, Bianca

  • 5 de janeiro de 2009 em 13:02
    Permalink

    Eu acho que, quando falado simplemente como modo de identificação, td bem. Todos nós temos algo que chama a atenção do mundo. Podemos ser ruivinhos, gordinhos, magrelos, a menina do cabelão, o cara do narigão… Não vejo mal em lembrar alguém pela cadeira de rodas. É ruim quando há depreciação no uso das palavras, quando há deboche. Ai, complica. Já ouvi identificações sem maldade para pessoas com algum tipo de limitação física. Mas tb já ouvi coisas bem feias, maldosas e ofensivas, que com certeza magoariam o sujeito a ser identificado. Enfim, acho que com respeito, dá para ser o "o carinha de muletas do Financeiro" ou "a cadeirante simpática do nono andar" ou até mesmo "o surdinho do atendimento".

    Resposta
    • 5 de janeiro de 2009 em 13:02
      Permalink

      Oi Jaqueline, está certíssima! É a maneira como se fala que conta. Não só como se fala, mas tb como se age. Tem toda razão! beijos, Bianca

  • 5 de janeiro de 2009 em 13:35
    Permalink

    Eu não me incomodo, aliás, muitas vezes me indentifico para as pessoas como "Oi, sou Cris, a cadeirante", as pessoas se lembram na hora, rs. Bjs, Cris.

    Resposta
    • 5 de janeiro de 2009 em 13:35
      Permalink

      Pois é, Cris. Se vc está bem consigo mesma, acho mais é q deve usar isso pra se identificar. Deve facilitar pra caramba! beijos, Bianca

  • 6 de janeiro de 2009 em 00:15
    Permalink

    é melhor ser um cadeirante conhecido, do que um cadeirante anonimo.

    rsrsrsrs

    eu nao ligo, pois quem me conhece, nao me esquece, desde que lembrem da cadeira.

    Resposta
    • 6 de janeiro de 2009 em 00:15
      Permalink

      Hahaha. Boa! Falem da minha cadeira, mas falem de mim! beijos, Bianca

  • 6 de janeiro de 2009 em 00:23
    Permalink

    coincidência danada, pois estava pensando sobre o assunto hoje. eu, particularmente, não gosto de predicados. detesto quando se referem a mim com algum deles, tipo raquel a moreninha, ou a que usa óculos. acho tudo muito redutor. parabéns pelo blog viu? é a primeira vez que comento, mas acompanho sempre.

    Resposta
    • 6 de janeiro de 2009 em 00:23
      Permalink

      Oi Raquel, obrigada pelo seu primeiro comentário! Espero que seja o primeiro de muitos! Fico feliz em saber que temos mais uma leitora assídua! E sobre os predicados, acho q quando usados de forma educada e apenas como forma de lembrar de quem se fala, não vejo grande problema. Só acho ruim quando são usados de forma pejorativa. Aí, realmente, fica chato e reduz muito! beijos, Bianca

  • 6 de janeiro de 2009 em 00:56
    Permalink

    Eu acho engraçado sim, principalmente quando não vou muito com a cara da pessoa e ela fica toda sem graça, ehehe! Sim, eu sou malvado 🙂 Mas na maioria das vezes, quando percebo o desconforto, saco logo o termo "cadeirante" e a pessoa respira aliviada. E concordo com o Heitor! Quando a pessoa está com boa intenção, vale praticamente qualquer termo. Só fico p… se me chamarem de "barrigudo da cadeira de rodas". Beijos!

    Resposta
    • 6 de janeiro de 2009 em 00:56
      Permalink

      Barrigudo??? Quem foi a pessoa que ousou te chamar assim? 😉 beijos, Bianca

  • 9 de janeiro de 2009 em 14:35
    Permalink

    Por muito tempo me senti incomodada com o termo "deficiente", até descobrir o "cadeirante". Acho muito mais simpático. O termo "portador de necessidades especiais" além de ser grande pra falar, me faz sentir um alien. Pra mim cadeirante funciona muito bem, não me incomoda em nada e define exatamente o que sou, afinal de contas realmente preciso de uma cadeira de rodas pra me locomover…

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *