Mas, hein?

Uma vez, um tempinho após o acidente, fui almoçar com uma amiga, e comentei com ela que tinha conhecido um cara que também usava cadeira de rodas. No mesmo segundo ela disse: “Ah, vocês poderiam namorar, né?”. Mas hein? Como assim? Não me agüentei e perguntei por que eu deveria namorar com ele. Ela prontamente disse: “Porque você usa cadeira de rodas, e ele também!”. De novo: Como assim? Então cadeirante só namora cadeirante? Mas por que gente? Olha nada contra, mas isso é regra? Então advogado só namora advogado, japonês namora japonês, mulher namora mulher e homem namora homem? Porque se só pudéssemos namorar entre “iguais” então seria assim, não? Teria que limitar meu universo de pretendentes apenas aos usuários de cadeira de rodas. Imagina, você conhece um carinha, rola um clima, e na hora “h” você vira pra criatura e diz: “Ih, não posso ficar com você, não. Você não usa cadeira de rodas. Foi mal…”. Isso não seria discriminatório? Eu hein, cada um viu!

Facebook Comments

18 comentários em “Mas, hein?

  • quinta-feira, 7 de maio de 2009 em 09:32
    Permalink

    Realmente, o comentário da sua amiga foi péssimo. Ela perdeu grande oportunidade de ficar calada.. 🙁
    O mundo está cheio dos sem-noção…

    maio 7th, 2009 - 09:32
    Mão na Roda respondeu:

    Oi Luna, acredito que ela nem tenha feito por mal, mas realmente é sem noção. Bjs, Cris.

    Resposta
  • quinta-feira, 7 de maio de 2009 em 10:26
    Permalink

    tsc tsc tsc…
    é cada uma que aparece…

    beijinho !!!

    Resposta
  • quinta-feira, 7 de maio de 2009 em 16:24
    Permalink

    É interessante perceber em certos comentários como a cabeça das pessoas funciona. Mas há realmente isso que vc falou, uma tendência a unir os iguais e evitar diferenças entre casais e choques, digamos, sociais. Da mesma forma que rola um comentário do tipo namore um cadeirante oq vc é cadeirante, pode rolar outro do tipo: não namore um cadeirante se vc n é cadeirante. É disso que tenho medo. E é isso que já escutei dezenas de vcs. São discursos que vão sendo reproduzidos e incorporados e só fazem mal, mesmo que quem fale não tenha a menor intenção de ser preconceituoso.

    maio 7th, 2009 - 16:24
    Mão na Roda respondeu:

    Oi Jaqueline ! É uma pena que as pessoas ainda pensem assim. O relacionamento entre "iguais" só serve quando se trata de algo que as pessoas não querem lidar, como a deficiência. Mas sou otimista e acredito que isso tá mudando. Bjs, Cris.

    Resposta
  • quinta-feira, 7 de maio de 2009 em 18:17
    Permalink

    Ouço isso direto…

    Não acho que as coisas estejam ligadas, a gente tem que estar com quem a conversa é agradável, a companhia é bacana e rola o ‘encaixe’ independente da condição que você vive.

    Por coinscidência minha namorada é cadeirante, mas foi pelos itens que eu descrevi acima, não necessariamente por ser uma regra

    Concordo em gênero, número e grau com o que escreveu

    beijão

    maio 7th, 2009 - 18:17
    Mão na Roda respondeu:

    Oi Diego, é isso ai! Ainda bem que existem pessoas que enxergam além da deficiência. Com meu namorado também foi assim. A minha deficiência nunca foi uma questão no nosso relacionamento. Bjs, Cris.

    Resposta
  • sexta-feira, 8 de maio de 2009 em 20:40
    Permalink

    hahahahaha mas já briguei foi com gente por causa disso!
    parece aqueles filmes americanos que negro só namora negro e branco só namora branco(ou latino, pra dar uma variada)

    maio 8th, 2009 - 20:40
    Mão na Roda respondeu:

    Oi Mila! Não briga com as pessoas não, rsrsrrss. Mas é verdade, as pessoas tem mania de colocar os iguais juntos. Eu hein, viva a diferença!

    Resposta
  • segunda-feira, 11 de maio de 2009 em 13:10
    Permalink

    Muito engraçado mesmo! Meu filho tornou-se paraplégico aos 2 anos de idade e, de lá para cá, são 14 anos. O que aparece de "coleguinha" cadeirante… nós até inventamos uma brincadeira. Quando passa algum idoso de cadeira de rodas, a gente brinca: "lá vai o seu coleguinha, por que você não chama ele para brincar?". É que as pessoas insistem em procurar aproximar os semelhantes e isso incomoda. Sugiro um post sobre evangélicos e kardecistas inoportunos. Os primeiros profetizam que Deus tem um plano para o cadeirante; os segundo, que esse carma pode ser revertido. Ng mrc!

    maio 11th, 2009 - 13:10
    Mão na Roda respondeu:

    Oi Ivone! Parece que só se pode se relacionar entre iguais. Como se isso existisse. Somo todos diferentes! Quando aos kardecistas e evangélicos, aff, o que as pessoas não inventam pra explicar aquilo que elas não aceitam. Cada um, né?Bjs, Cris.

    Resposta
  • quarta-feira, 20 de maio de 2009 em 11:17
    Permalink

    Gente, me deu um frio na barriga agora! Tô fazendo o raciocínio ao contrário… É que conheci um rapaz que fez meu coração disparar e olhos e ouvidos ficarem atentos ao celular ("será que vai me ligar?").
    Vamos à explicação do frio no estômago : raciocinando que cadeirante só namora cadeirante, será que ele vai me dar um fora argumetando "Aline, você é super gente boa, mas não dá pra te namorar porque você NÃO é cadeirante"?

    maio 20th, 2009 - 11:17
    Mão na Roda respondeu:

    Oi Aline, difícil dizer já que não conheço a pessoa em questão. Mas acredito que quando se gosta, não tem isso não. E conheço poucos cadeirantes que namoram cadeirantes. Acho que não rola esse tipo de preconceito. Bjs, Cris.

    Resposta
  • quinta-feira, 28 de maio de 2009 em 12:55
    Permalink

    Cris, isso é fruto ainda do preconceito. Ainda causa espanto muitas vezes, um negão de braços dados com uma loiraça, ou um ruivão (daqueles bem brancos, estilo europeu) ao lado de uma negra "tipo A". Então pra esse tipo de pessoa é natural achar q cadeirante só namora cadeirante, q amputado só namora amputado, q PC só namora PC, q anão só namora anão.
    Nada, absolutamente nada, contra os deficientes q se amam, nossa, bato palmas para todos esses casais! Mas agora a colocar isso como regra é loucura, preconceito.
    Um grande abraço!

    maio 28th, 2009 - 12:55
    Mão na Roda respondeu:

    Oi Carlos, também acho totalmente errado achar que só se pode namorar um "igual". Infelizmente, como você disse, é fruto de preconceito. Bjs, Cris.

    Resposta
  • quinta-feira, 27 de novembro de 2014 em 10:55
    Permalink

    Olá bom dia! Sou cadeirante,estou acima do peso,todos os dias quando acordo eu olho para o espelho e digo em primeiro lugar,bom dia espirito santo,obrigado por mais um dia na sua presença,e começo a pentear meus cabelos que são lindos,e falo pra mim mesma,nossa mônica como vc estar radiante,eu também falo eita gordinha linda,olha amados,graças a Deus sou independente,eu mesmo faço meus afazeres,faço crochê,faço dindin,vendo sorvete,picolé,cremosino,polpa de fruta,faço mhas compras,esaio todos os dias para cantar na igreja,graças a Deus Ele mi capacita cada vez mais e mais,por isso não tenho e nem pretendo ter tempo para pensar em bobagens,olha amados como é bom ser feliz,tem uma moça que vem uma vez por semana fazer a faxina geral,ela sempre diz da onde eu tiro essa felicidade e eu respondo [DEUS],olha meus amados, vou para a igraja 3 vezes por semana,faço parte do ministério de louvor,tem célula todas quinta feira na mha casa,apesar das mhas limitações,sou feliz,não estou nem aí para o que as pessoas falam e pensam,em primeiro lugar Deus é comigo. Tenham um bom dia.Graça e paz.Shalom.

    Resposta
  • segunda-feira, 1 de agosto de 2016 em 21:36
    Permalink

    ola gostaria de pedir a ajuda de vcs pq uma amiga minha tem uma filha qu e muito doente desde os 7 anos de idade ela nao anda e precisa muito de uma cadeira de roda com apoio pra cabeça pq a cabeça dela nao segurra ela so viver deitadda e tem varias feridas na pele por conta de esta deitada sempre preciso muito da ajuda de vcs obrigada esta com 3 anos q ela espera uma pelo sus mais ate agora nada

    Resposta
  • quarta-feira, 21 de dezembro de 2016 em 14:37
    Permalink

    valdelice santos tenho uma conhecida que mora na santa maria sul quadra402 bloco w casa11 ja faz um ano que a mesma nao toma banho no banheiro por falta de uma cadeira de rodas

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Connect with Facebook

Pin It on Pinterest