Namorar na cadeira? Mas é claro que sim!

Símbolo de acesso com coração no lugar da cadeira de rodasAchar um namorado atualmente, já é bastante complicado. Como dizem minhas amigas, o mercado tá ruim. Aliás, péssimo. Ainda mais depois dos 30. Agora, imagina com uma lesão medular? Infelizmente não dá pra ser Polyana e achar que azarar numa cadeira de rodas vai ser a mesma coisa. Infelizmente não é. Mas também não é algo impossível. Aliás, longe disso. Um dos meus maiores medos após a lesão era exatamente esse: será que vou conseguir paquerar, namorar? Uma vez que minha imagem corporal mudou, como vai ser agora? Será que vou ser desejada? Será que vou desejar? E na hora do sexo? Será que vão conseguir me ver como uma companheira e não como alguém dependente? Nossa, eram tantos os medos… Sempre que questionava isso, minhas amigas diziam “Calma, é claro que você vai achar alguém”. Mas são amigas, né? Vão sempre dizer que sim. Teve uma que brilhantemente disse: “Cris, pensa na lesão como filtro de babacas. Se o cara tá te dando mole é porque já tá rolando um sentimento. O bom e velho babaca, nem vai se dar ao trabalho”. Hum… não foi legal ouvir isso, pois dá uma mexida no ego, mas não deixa de ser verdade. Aliás, adorei o tal filtro. Mas acreditem, nem sempre ele funciona!

Por exemplo, uma vez, conheci um cara, que parecia gente boa. Gostava de um choppinho e de papear, como eu também gosto. Ele começou a me ligar direto, queria sair sempre, e até queria que eu conhecesse a família dele. Mas nunca rolava nada. Achava aquilo estranho, mas nunca se sabe, vai que o cara era devagar? Até que de tanto ele “lerdar”, resolvi deixar de lado, e botar a fila pra andar. Um tempo depois, fui descobrir que o cara só queria ser amigo. Pois é. Ele deve ter achado legal a idéia de ter uma amiguinha cadeirante, ou tava pagando promessa, ou ainda, tava fazendo uma boa ação para ganhar pontos extras para ir pro céu. Olha, adoro fazer amigos, mas vamos combinar que forçar uma amizade achando que tá fazendo um bem, só porque sou cadeirante, é de mais pra minha cabeça! Se quiser fazer uma boa ação, existem várias instituições precisando de ajuda, muito mais do que eu. Eu hein?

Mas graças a Deus, essas são as exceções, não a regra. O que aconteceu é que com o tempo fui deixando meus medos de lado e me deixando levar pelas situações. Conheci muita gente legal, outras nem tanto. Dei toco (pasmem!) e também levei toco. Mas é assim com todo mundo. O que vai mudar é a conversa e o que você pretende com a pessoa. É muito bom sentir aquele friozinho na barriga! Quando senti que era algo mais especial, conversei sobre meus medos. Resultado disso? 5 anos de namoro e um casamento marcado pro ano que vem. Mas sobre isso, escreverei outro post.

E você? Já passou por alguma situação dessas?

22 thoughts on “Namorar na cadeira? Mas é claro que sim!

  • 29 de maio de 2009 em 09:33
    Permalink

    Amei Crieis!!!
    Tenho o maior orgulho de vc e de ter participado desta linda história de amor desde o início!!!
    Em 2010 estarei lá!!!!
    Adoro vcs!!!
    Bjsss

    Resposta
  • 29 de maio de 2009 em 10:15
    Permalink

    jÁ senti que foi Gloria Maria Teixeira Leão que falou a palavra – FILTRO – para vc, Cris.
    Cris vc diz que falta muitoooooooooo, creia que não, passa voado o tempo. Como dizia Cazuza: "O tempo não para…."

    Resposta
    • 29 de maio de 2009 em 10:15
      Permalink

      Oi Luiza, não foi ela não… E é verdade, passa rápido mesmo! Bjs, Cris.

  • 29 de maio de 2009 em 11:41
    Permalink

    Adoreeeei o post! E, além de tudo, ele é um cara sensacional e com vcs dois na pista de dança não tem pra ninguém!!!!! E eu posso provar! Tem muuita foto disso! Hahahaha =D
    Beijão!
    Dri

    Resposta
    • 29 de maio de 2009 em 11:41
      Permalink

      Que bom que gostou! Quanto as fotos, ficaram muito boas! Bjs, Cris.

  • 29 de maio de 2009 em 11:42
    Permalink

    P.S.: Gloria Maria Teixeira Leão… Denise Barbosa Barreto… Gente! ‘Meu nome completo’! Hahahaha!

    Resposta
  • 29 de maio de 2009 em 13:16
    Permalink

    Amei esse desenho…posso "pegar"?ou vc me manda!
    bjo

    Resposta
  • 29 de maio de 2009 em 14:16
    Permalink

    Cris, minha amiga querida de tantos carnavais… Que surpresa boa saber que você é blogueira do Globo Online! Parabéns pelos posts! Queria deixar registrado aqui o quanto te admiro e o quanto me orgulho de ser sua amiga. Já curtimos muita coisa juntas, né?! E, se Deus quiser, ainda teremos muitas outras a curtir… Te desejo toda a felicidade do mundo no seu casamento e na sua vida. Você merece! Beijão, Lari.

    Resposta
    • 29 de maio de 2009 em 14:16
      Permalink

      Obrigada Lari! E com certeza vc e Vinicius estarão lá! Bjs e saudades! Cris.

  • 1 de junho de 2009 em 22:15
    Permalink

    Acho que essa situação é uma das mais "clássicas" na vida dos cadeirantes. Mas a questão do filtro realmente funciona. Quem ta interessado somente no físico, sem interesses outros, acaba se afastando de nós (ainda bem). De qualquer forma, ainda acho que o mercado ainda fraco, tanto para as cadeirantes quanto para as andantes. Costumo dizer, brincando, que os homens realmente legais das duas uma: ou são gays (sem preconceito, mas é que a maioria é mesmo bem legal) ou já estão comprometidos. Isso não signfica exclusão do "resto", mas reduz em muito a chance de encontrar um cara gente boa que queira se comprometer sem preconceitos ou encanações. Mas a vida continua e a busca tb. hehehe

    Resposta
    • 1 de junho de 2009 em 22:15
      Permalink

      Oi Joana, concordo com você, o mercado tá complicado mesmo. Mas temos que acreditar que uma hora aparece alguém legal, solteiro e hetero. Bjs, Cris.

  • 1 de junho de 2009 em 00:38
    Permalink

    Olá Cris! O post só prova que felicidade não tem raça, cara, idade, e por aí vai. Somos todos iguais e diferentes (únicos). Queremos e procuramos vários coisas em nossa vida, mas no fundo o que desejamos mesmo é ser amados: pela família, pelos colegas de trabalho, pelos amigos… É muito bom quando encontramos alguém para dividir.

    Beijos e felicidades!

    Resposta
    • 1 de junho de 2009 em 00:38
      Permalink

      Oi Janaína, Obrigada! É isso mesmo, todos queremos amar e ser amados. Bjs, Cris.

  • 2 de junho de 2009 em 23:06
    Permalink

    Gente! sou andante e encontrei o amor da minha vida ( eu juro que tinha certeza) em um homem cadeirante que depois de quase um ano dizendo que me amava, que eu era a mulher da vida dele…ficou confuso! Isso pq tinhamos tudo, familia que apoiava, amigos tb..uma quimica perfeita..e daí? Homem é homem independente de ser cadeirante ou não.São loucos!! Chorei, implorei e nada. Ele diz que me ama mas somos diferentes..Então, nada de se sentirem coitadinhos pelo fato de estarem numa cadeira. O amor tá aí pra todo mundo. Se permita.

    Resposta
    • 2 de junho de 2009 em 23:06
      Permalink

      Oi Mari, mas é isso mesmo! O sentimento independe da deficiência. Vamos gostar ou não pelas características da pessoa e não pq é cadeirante. Bjs, Cris.

  • 5 de junho de 2009 em 20:55
    Permalink

    Você pode se considerar uma menina de sorte, Chris, porque eu só pego encosto e quando pego… Já desistí de ser feliz no amor, essa idéia não é pra mim… Mas como não sou revoltada, te desejo TODA FELICIDADE DO MUNDO e com um final bem romântico: "E FORAM FELIZES PARA SEMPRE". Que DEUS abençoe e conserve a sua felicidade! 🙂 Beijosssssssssssss mineiros… 😉

    Resposta
    • 5 de junho de 2009 em 20:55
      Permalink

      Obrigada Mônica, mas não desista. As vezes as coisas acontecem quando menos se espera, mas vc tem que estar aberta pra isso. Bjs, Cris.

  • 2 de abril de 2012 em 11:08
    Permalink

    Ola a pouco tempo comecei a ler seu blog e pasme foi por causa da figura q esta neste post,entrei no google para pesquisar sobre imagens para fazer uma homenagem a meu namorado que é cadeirante,quando vi a imagem deste post falei é isso,e desde este dia leio sempre seu blog.E obrigada por ter me ajudado a achar a imagem perfeita para homenagear meu namorado e ate mesmo alguns amigos nossos q falam q foi uma prova de amor não so pra ele mas para todos…obrigada mesmo

    Resposta
  • 1 de janeiro de 2014 em 10:03
    Permalink

    ola sou cadeirante ,tenho 34 anos ,cor branca,e estou a procura de um grande amor,para me dar carinho ,e eu tenho carinho pra dar. eu prefiro homem mais velhos.

    Resposta
  • 15 de junho de 2014 em 10:55
    Permalink

    ola ,sou uma mulher cadeirante ,tenho 34 anos e estou a procura de um amor ,porque esto carente mesmo e espero que vou encontrar .ass cecilia

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *