Exames

Como boa hipocondríaca que sou, todo ano visito os 537 médicos de especialidades diferentes que acho necessário. E é nessa época que começa a maratona de exames. Sim, porque cada médico pede um zilhão de exames. E ai dele se não pedir. Vou ficar achando que ele não é bom. Eu disse que sou hipocondríaca. Enfim, um dos exames que tenho que fazer nessa época é a tal da ressonância. Só de me imaginar dentro daquele tubo barulhento e apertado, já fico tensa. Mas lá fui eu.

Só um pequeno parênteses antes de continuar: sempre achei que esses laboratórios deveriam ser bem adaptados e não somente acessíveis. Neura minha de achar que a área médica deveria se sensibilizar um pouco mais com acessibilidade. Mas acaba que a maioria não tem banheiros adaptados, o que faz dos exames como os de rim e bexiga (ultrasonografia) um pesadelo.

Mas voltando, chegando ao laboratório, depois de preencher um questionário com 360 perguntas, veio um carinha e colocou SEIS copos de água na minha frente e disse que eu deveria beber um a cada 10min. Como diriam os paulistas: “Meu!!! Tem noção de que a minha bexiga tem vontade própria??”. Reclamei um pouquinho, mas ele disse que era o contraste e, portanto, necessário para o exame. Parei de resmungar e comecei a beber e rezar pra que minha bexiga não explodisse no meio do exame. Depois de 1 hora e da bexiga cheia, veio o carinha de novo me levar pra sala do exame. Ele parou na porta e disse: “A senhora poderia dar uns passinhos até o aparelho?”. Silêncio. Eu devo ter feito uma cara de c… tão grande, que ele complementou: “É porque não pode ter nenhum tipo de metal na sala”. Claro que milhões de respostas me passaram pela cabeça, tipo: “Quer que eu vá pulando, quicando ou rastejando feito um réptil?”. Mas como sempre, respiro fundo, e respondo bonitinho: “Não posso. Eu não ando. Tá escrito lá no questionário que você me deu”. O cara fez meio que uma careta e disse que ia chamar um “colega” pra ajudar. Enquanto isso, bexiga enchendo e paciência também. Volta o carinha com o “colega” e me carregam até o tal do aparelho. Entro eu lá no tubinho, com a bexiga bombando e ainda tendo que aturar aquele : Tum-tum-tuuuuuum-tum-tum do aparelho da ressonância. Depois do que pareceu hooooras (devem ter sido uns 45min) vem os caras me resgatar e colocar na cadeira. Já não agüentava mais de dor. Minhas bochechas já estavam vermelhas. Perguntei:

– Moços, pelamordedeus, me digam onde tem um banheiro que eu possa usar. Vocês estão prestes a presenciar a explosão de uma bexiga cheia de xixi atômico, por causa do contraste. Por favor!

Um deles me levou até uma porta e disse que ali deveria dar pra eu entrar. A porta era um pouquinho apertada, mas deu pra passar com a cadeira e o banheiro tinha espaço suficiente pra ela. Espremidinho, mas dava. Depois de fazer o xixi mais longo da minha história de cadeirante, respirei aliviada e feliz. Na saída agradeci ao moço e fiquei contente de só ter que fazer esse exame uma vez por ano. Mas volto a perguntar: Custa tanto assim ter um banheirinho adaptado?

Comentários

Comentários

10 comentários em “Exames

  • sexta-feira, 4 de setembro de 2009 em 16:52
    Permalink

    Cris – ADOROOOOOO ler suas histórias, como sempre ri novamente.

    Bjs

    Resposta
  • domingo, 6 de setembro de 2009 em 16:24
    Permalink

    Estou chorando de rir aqui!!

    Resposta
  • terça-feira, 8 de setembro de 2009 em 14:40
    Permalink

    Cris, cuidado na sua viagem, capaz de vc não passar pelo contador Geiger do aeroporto… ahahahaha.

    Resposta
    • terça-feira, 8 de setembro de 2009 em 14:40
      Permalink

      Rrsrsrsrsrs, foi tudo tranquilo, não me seguraram não, rs. Bjs, Cris.

  • quinta-feira, 10 de setembro de 2009 em 00:28
    Permalink

    MUITO BOA A MANEIRA DE EXPRESAR A REALIDADE DE TODOS LOS DIAS.
    MONTEVIDÉU NAO E MUITO DIFERENTE A ISSA REALIDADE.
    A GENTE PENSA QUE FAZER ACCESIBILIDADE E UM LUXO MUITO CARO.
    QUE COISA FOI O QUE LEVA A PENSAR ISSO?
    SALUDOS

    N.

    Resposta
    • quinta-feira, 10 de setembro de 2009 em 00:28
      Permalink

      É verdade, acessibilidade é um direito, não devíamos ter tantas dificuldades no dia a dia. Bjs, Cris.

  • quinta-feira, 10 de setembro de 2009 em 14:15
    Permalink

    Boa Tarde.
    Conheci o blog de voceis faz uns 15 dias, mas fiquei encantada, pois por não ter deficiência não tinha noção de como era a vida. Porem com tudo isso aprendi a respeitar e admirar mais as pessoas que possa a ter qualquer tipo de deficiência.
    Fiquei encantada pelo blog. Li todos os textos em um unico dia só.
    Parabens para todos voceis……

    Resposta
    • quinta-feira, 10 de setembro de 2009 em 14:15
      Permalink

      Oi Claudia, que bom que gostou do Blog!!! É muito bom saber que também temos leitores sem deficiência. Obrigada! Bjs, Cris.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Connect with Facebook

Pin It on Pinterest