Cadeirante casa?

Mais uma vez a novela Viver a Vida nos dá material para escrever um post aqui. Que bom, né? Confesso que tenho ficado surpreendida com o andamento da trama.

Mas vamos ao que me motivou a escrever este texto. Pra quem não assistiu ao capítulo de hoje, Helena e Marcos resolvem fazer uma festa de boas vindas para Luciana, que acaba de se mudar pra casa amarela. Todos os amigos presentes, badalação total, coisa fina! Eis que me aparece, no meio da festa, outra cadeirante trazida pela médica Ellen. A cena em que as duas são apresentadas, me fez lembrar um assunto que já foi abordado aqui no blog.

Bem a tal da cadeirante convidada, Camila, chegou à festa acompanhada de seu namorado. O que já despertou certo espanto em Luciana. Tipo assim: “alou? Cadeirante namora???” Logo em seguida Camila conta que ela e o namorado acabaram de juntar trapinhos, ou seja, “casaram”. Espanto número dois. “Como assim??? Cadeirante casa??? Eu tenho esperanças???” Foi quase isso que a personagem Luciana disse em resposta.

Na mesma hora me lembrei de um post escrito pela Cris. É impressionante como as pessoas ainda se surpreendem com o fato de cadeirantes namorarem, casarem, terem filhos, enfim, viverem! Não estou criticando a cena da novela, acho que ela foi muito bem colocada, essa reação ocorre com mais freqüência do que se imagina.

E espero sinceramente, que a novela continue mostrando até o seu final como as pessoas continuam vivendo suas vidas, mesmo após uma lesão medular.

Ah! E leiam o post da Cris. É hilário.

Facebook Comments

29 comentários em “Cadeirante casa?

  • quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010 em 22:53
    Permalink

    Acho interessante que tanto a Luciana, quanto os outros personagens da novela ao seu redor, demonstrem a ignorância da maior parte da população em relação ao tema, inclusive a minha.

    Sou fã da novela por isso… Foi por ela e principalmente pelo blog que criaram (meio engraçado, é verdade… As pessoas comentam como se a Luciana existisse!) que eu vim parar aqui. A princípio eu me senti meio deslocada, mas depois achei uma baita bobagem. Eu frequento um ou dois blogs de esporte, e não pratico nenhum, frequento blogs de moda, e não trabalho com isso… Porque diachos eu não poderia frequentar esse blog por não ser cadeirante ou não ter ninguém de perto nessa situação? Hoje adicionei o meu blog aos meus favoritos, e tenho me divertido e me informado por aqui. Obrigada!

    fevereiro 25th, 2010 - 23:06
    Bianca Marotta respondeu:

    Oi Cristal,
    Adorei seu comentário. Fico sempre muito feliz quando não-cadeirantes entram no nosso blog, gostam, elogiam e passam a acompanhar nossos textos. Concordo com vc e tenho que dar o braço a torcer, pq não sou muito fã de novela, mas ela está ajudando e muito no nosso trabalho de formiguinha, de mostrar pra todo mundo como existe vida sobre rodas.
    Tb achei muito bem colocado o seu comentário sobre todos os blogs que acompanha como “leiga”. É bem por aí mesmo. Por que não acompanhar o nosso? 🙂
    Ah! Tb acho hilário ver as pessoas escrevendo pra Luciana como se ela fosse real. Comentei isso hj mesmo lá no trabalho.
    Beijos e seja muito bem vinda!!!

    Resposta
  • quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010 em 22:55
    Permalink

    *correção: “adicionei o blog aos meus favoritos”.

    Resposta
  • sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010 em 07:13
    Permalink

    Casa mesmo? De cadeira? Não minha filha vai flutuando! kkkkk
    É foda esse espanto conosco, as pessoas viajammm!! Agora quem sabe comecem a ter mais noção da real, né não!? Bjokas!

    fevereiro 26th, 2010 - 19:06
    Bianca Marotta respondeu:

    Sai flutuando é ótimo! As pessoas realmente viajam, Tábata. Quem sabe depois q a personagem da novela casar, muitas pessoas acreditem q isso acontece de verdade!!!

    beijos

    Resposta
  • sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010 em 08:41
    Permalink

    Ola… não assisto muito a novela Viver a Vida, mais nas poucas vezes que assistir, sempre ouvi falar do Blog da Luciana, imaginei que não existia, quando por curiosidade tentei verificar se era real mesmo, e adivinha… aqui estou… não sou cadeirante, mais me interesso muito pelo assunto, pelas historias de vida, não tenho pessoas proximas a mim que sejam também, mais acredito que todos nós devemos lutar juntos por um mundo melhor, afinal de contas somos seres humanos e cada um dentro de suas limitações merecem respeito, atenção, carinho, enfim… viver a vida! DOU PARABÉNS PARA TODOS VCS QUE LUTARAM E AINDA CONTINUAM LUTANDO POR UMA VIDA MELHOR!!! ABRAÇOS!!!

    fevereiro 26th, 2010 - 19:07
    Bianca Marotta respondeu:

    Oi Priscilla,
    Obrigada pelos elogios. Fico feliz que o blog tenha te agradado e espero que volte sempre! Vamos juntos fazer um mundo melhor, né?
    beijos

    Resposta
  • sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010 em 10:50
    Permalink

    Infelizmente, ainda há um enorme espanto, em relação a vida amorosa dos cadeirantes.

    Como falei no outro post, namoro um cadeirante há 3 meses, e quando saimos juntos, nos beijamos, enfim quando temos atitudes que demostram que somos namorados e não apenas amigos, as pessoas ao redor simplesmente param o que estão fazendo, para nos analisar.

    Como isto é péssimo….

    fevereiro 26th, 2010 - 19:09
    Bianca Marotta respondeu:

    Olha Bia,
    Eu mais ou menos me incomodava com isso no início, mas posso te assegurar que passa. Depois de um tempo vc vai se esquecer de que ele é cadeirante e nem vai perceber se alguém está olhando ou não. Desencana. Se a gente não mostrar em público, ninguém nunca vai se acostumar com a normalidade disso.
    beijos!

    Resposta
  • sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010 em 12:46
    Permalink

    é realmente ótimo a novela tratar disso! eu assisto muito de vez em quando, mas tenho um séquito de noveleiros pra me atualizar sobre o que ocorre. só de pessoas não-cadeirantes chegarem aqui através dela, já ta valendo.
    e além da parte, digamos, prática, a reação dela, o sentimento, a leveza da personagem também é muito bacana.
    ponto pro maneco :p
    beijos!

    fevereiro 26th, 2010 - 19:10
    Bianca Marotta respondeu:

    Oi Tici,
    No começo eu fiquei bastante cética a respeito da novela. Mas tenho estado muito contente com a repercussão. Dá pra ver na chuva de comentários, como está funcionando. Ponto pros autores mesmo!
    beijos

    Resposta
  • sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010 em 13:52
    Permalink

    Olá, acho muito interessante a novela e esses blogs falarem sobre esse assunto que geralmente passa despercebido por entre a sociedade, acho também que esses blogs são um grande incentivo para as pessoas cadeirantes poderem retomar a vida poder vive-la sem medo com coragem;gostei muito mesmo!!!!
    bjs!!!!!!!!!

    fevereiro 26th, 2010 - 19:01
    Bianca Marotta respondeu:

    Oi Mariana,
    Nosso objetivo é não só fazer com que as pessoas saiam de casa e tenham mais acesso a tudo, como tb conscientizar as pessoas que não tem deficiência de que um mundo mais acessível é melhor pra todos.
    Valeu pela força! beijos

    Resposta
  • sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010 em 20:26
    Permalink

    Concordo que a novela Viver a Vida está dando visibilidade à realidade dos cadeirantes. Dia desses mesmo eu vi uma reportagem falando de uma modelo cadeirante na Inglaterra (Shannon Murray – http://www.clicrbs.com.br/especial/rs/donna/19,206,2821877,Modelo-cadeirante-estrela-campanha-em-Londres.html). É claro que, se não fosse a novela, essa modelo não seria motivo de reportagens aqui.
    Não sou cadeirante e, confesso, tinha muitos “pré-conceitos” até começar a novela… acompanhando a personagem Luciana a gente vai descobrindo a realidade (muito pouco divulgada) de vcs.
    E também achei muito legal o blog de vcs! Já coloquei nos meus favoritos!
    Bjos a todos!

    março 1st, 2010 - 10:34
    Bianca Marotta respondeu:

    Oi Leandra,
    Assim como vc, eu certamente tinha muitos preconceitos antes de conhecer o Dado. Não é culpa nossa e sim da falta de informação. Por isso achamos que a novela está fazendo um trabalho muito importante. Que bom que vc está gostando.
    Ah! Não conhecia essa modelo. Muito bonita, por sinal. Pena que a tal marca de roupas que a usou como modelo, não tenha colocado suas fotos no próprio site e sim apenas no seu material impresso. Mas a iniciativa foi realmente revolucionária e muito bacana! Valeu pela dica!
    beijos

    Resposta
  • sábado, 27 de fevereiro de 2010 em 01:46
    Permalink

    Realmente Edu, mas vale lembra que só somos ‘Lesados Medular’ kkkk outras lesões não nos pertencem… kkkkkkkk

    Resposta
  • sábado, 27 de fevereiro de 2010 em 15:04
    Permalink

    Bianca, adorei a cena, até mesmo porque além de a Camila, apresentada à Luciana, ser cadeirante, disse ser portadora da mesma “doença” que eu. Fiquei bem chocado pelo fato de terem dito ao menos o nome da patologia – atrofia espinhal. Acho que o Manoel Carlos e a equipe que o rodeia têm aproveitado muito bem a oportunidade de tocar em temas a serem desmestificados, como o dessa cena, por exemplo. Esperemos que siga assim até o fim da novela. Ah, a Luciana comentou em uma cena sobre a leitura que a Mia fez acerca do projeto de praia acessível. Uma amiga comentou que a Luciana vai visitar in loco o projeto e a cena deve ir ao ar essa semana. Bem bacana. 🙂

    março 1st, 2010 - 10:36
    Bianca Marotta respondeu:

    Oi Joana,
    Tá vendo, nem eu tinha conhecimento dessa doença. Vc tem razão, quando diz que a escolha dos roteiristas foi acertada. Mais informação pra quem assiste à novela.
    Sobre o Praia Acessível, ficamos sabendo tb da visita da Luciana ao loca. O Dado inclusive esteve presente nas filmagens. Bem legal, né? O assunto deve surgir em breve na novela.
    beijos

    Resposta
  • sábado, 27 de fevereiro de 2010 em 20:01
    Permalink

    sou cadeirante a 20 anos por conta de um acidente de transito, sofri amputações dos MI, estava viajando em lua de mel quando isso aconteceu…Mas, graças a Deus vivo a vida “normalmente”, com meu esposo e meu filho…Mas, pessoas que não conheceram minha história sempre me faz a velha pergunta…Seu esposo ainda está com vc?
    Ainda tem muito preconceito com respeito a isso, tem muitos homens que acham que uma pessoa só é mulher enquanto andante, e realmente abandonam suas companheiras…
    O amor ainda existe, gente.O amor fica, ele não acaba na hora que perdemos nossa mobilidade…
    Fica aqui meu comentário…

    março 1st, 2010 - 10:39
    Bianca Marotta respondeu:

    Oi Valdete,
    Que bom que seu esposo ainda está com vc. Prova de que o amor aguenta qq barra mesmo. Fico feliz por vocês.
    Super beijo

    Resposta
  • domingo, 28 de fevereiro de 2010 em 19:20
    Permalink

    Oi queridos amigos,sou não-cadeirante e sou de Portugal.
    Sigo a novela Viver a Vida e pois ta claro que estou a adorar.
    Sou fã de novelas que nos mostrem casos que vivemos no dia a dia.Este tema é muito importante porque as pessoas não têm ideia dos obstaculos que voçes passam todos os dias.Aqui em Portugal não há condiçoes para nada,nem onibus preparados,nem calçadas nem apartamentos,uma coisa louca é os locais publicos quando se quer tratar de algum papel importante ou algo relaçionado com o estado.Uma coisa que me deixa muito chocada e que eu reclamo muito,mas muito mesmo é o facto das pessoal estacionarem os carros nos nossos MINUSCULOS passeios que nem uma criança passa quanto mais uma pessoa de cadeira de rodas.
    Sinto uma admiraçao enorme por voçes e pela vossa coragem e luta constante.Vou continuar a seguir estes blgs que a uerida Lu colocou no blog dela e tenho que admirar o povo Brazileiro pela veracidade com que fazem as novelas e ocam em factos tão veridicos.Um bem Haja a todos e muito AMOR:)

    março 1st, 2010 - 10:42
    Bianca Marotta respondeu:

    Oi Cristina,
    Infelizmente estamos tão atrasados em termos de acessibilidade quanto Portugal. As condições aqui tb são péssimas, os meios de transporte precários e o acesso a muitos lugares ainda é difícil. Por isso resolvemos criar esse blog. Só com disseminação de informação se consegue chegar a algum lugar, né?
    Que bom que vc gostou do Mão na Roda. Sinta-se bem vinda a comentar, opinar e sugerir qualquer coisa.
    beijos

    Resposta
  • terça-feira, 2 de março de 2010 em 17:54
    Permalink

    Oi, Bianca,

    Agradeço sua resposta.

    Então meu namoro ainda é recente, realmente namorar em publico é necessário para mostrar a normalidade disto…

    O próximo passo será leva-lo ele em casa, para apresentar aos meus pais e oficializar definitivamente.

    Beijocas,
    Bia

    março 2nd, 2010 - 18:26
    Bianca Marotta respondeu:

    Oi Bia,
    O Dado só esteve lá em casa depois de um tempão de namoro. Mas isso porque no nosso prédio não tinha elevador, hehehe.
    Acredito que vc não vá ter maiores problemas com isso.
    beijos e boa sorte!

    Resposta
  • quinta-feira, 4 de março de 2010 em 16:22
    Permalink

    Olá Bianca!!
    Estava vendo o blog da Luciana e emcontrei o teu e este topico mim chamou muito a atenção.Cadeirante casa?? Casa sim e não só com “andante” cadeirante casa com cadeirante tbm!!! Hum?? Mas como??? Foi exatamente isso que houvi.Sou cadeirante (sequela de poliomielite com tetraplegia, grau mas avançado da polio) sou casada com um tbm cadeirante, ele teve seguela de tetano (paraplegia) e vivemos juntos a 6 anos e ano passado oficionalizamos a nossa união com direito a igreja e tudo. Foi simplismente lindo que ate o celebrante ficou emocionado rsrsrs. Infelismente ainda hoje temos pessoas que acham que por estarmos em uma cadeira de rodas ”MOREMOS PRA VIDA” seja esta pessoa lesionada ou não ela continua vevendo tendo emoçõs e sendo capaz de amar, poxa lembrem-se o corpo ta com limitações mas os sentimentos não. Eu e meu marido vivemos sozinhos em nossa casa e somos nos que realizamos as tarefas domesticas, que mantemos a casa , que vamos ao supermercado, que pagamos nossas contas, ele é atleta joga basquete em cadeira de rodas e faz corridas de rua, é o meu atleta prefrido rsrsrsr, sei que existem outras pessoas cadeirantes casadas , mas acho que a nossa história se diferencia num ponto.Eu preciso dele pra fazer qualquer tipo de transferencia e é ele quem mim ajuda mim colocando no colo,(alias é o unico colo que gosto de ir rsrssr).
    Não mim pergunte como mas Deus providenciou tudo, e nós viramos muito bem.
    Poxa gostaria que as pessoas acordasem e vissem que somos diferentes, mas diferentes na maneira de nos locomover, nos demais somos iguais a qualquer pessoas com sentimentos, responsabilidades, sonhos e projetos.
    Deficientes casam sim, sou uma cadeirante muito feliz ao lado do meu amor cadeirante.
    Beijos e obrigada pelo espaço gostaria muito de fazer parte dete blog.
    Abraços e felicidades a todos.

    março 5th, 2010 - 13:54
    Bianca Marotta respondeu:

    Oi Rosineide,
    Que bom que vc é mais um exemplo de que cadeirante casa. Vc e seu marido, né? Pois continuem saindo de casa e mostrando pra todo mundo que tudo é possível e que cadeirantes tb vivem! 🙂
    beijos
    beijos

    Resposta
  • sexta-feira, 5 de março de 2010 em 22:34
    Permalink

    Oi Bianca.
    é isso mesmo eu e meu marido somos cadeirantes casados e muito felizes e fazemos questão de mostrar que que a vida não para ela segue o seu rumo, saimos muito mas o nosso maior problema de sairmos juntos é infrentar os onibus adapitados daqui em Salvador, pois os motorista olham pra gente e diz “SÓ VAI UM” geralmente os anibus só tem uma vaga,mas é uma vaga tão espaçosa que cabe duas cadeira uma do lado da outra mas eles só querem levar um,pense na situaçao nos dois indo pro cinema e um vai primeiro e espera o outro la rsrsrsr é de rir mesmo amiga,mas mesmo assim vamos lutando por um mundo melhor e não deixamos de sair juntos pois quem sabe se um dia esta situação muda, a novela ta nos dando um apoio muito grande em relação as adapitações nos locais publicos eles estão de PARABÉNS finalmente alguem aborda este assunto de maneira tão esclarecida ja era em tempo.
    Abraços e biejos carinhosos. Fique com Deus.

    Resposta
  • segunda-feira, 15 de março de 2010 em 23:09
    Permalink

    Gostaria de obter informações sobre os cadeirantes no bairro da Tijuca/RJ, como encontra-los tem alguma entidade, existe estatística com algum número, na Tijuca e ao redor do bairro.
    Temos desejo de fazer alguns projetos que possam atende-los, mas gostariamos de promover um diálogo, para conhecer as necessidades mais emergenciais. Caso possa ajudar-me por favor envie notícias, já procuramos em vários órgãos sem sucesso até o momento. Agradeço. Kátia

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Connect with Facebook

X

Pin It on Pinterest

X