Viagens e Turismo

Praia do Forte – Bahia

14
Igreja em frente à Praia do Forte

Foto extraída de wikimedia - clique na foto para ver a original

Nossa leitora Cristal Bittencourt esteve na Praia do Forte na Bahia e nos enviou suas impressões de lá. Valeu, Cristal!!

“Mandei um tweet pra vocês perguntando se tinham interesse em ver umas fotos de Praia do Forte, aparentemente totalmente acessível, e como a resposta foi positiva, cá estou! Digo aparentemente porque sou andante, e não tenho nenhum problema de locomoção, então não posso ter certeza se a vila de Praia do Forte supre, ou não, as necessidades de um cadeirante.

No entanto, no fim de semana em que estive lá, cruzei com dois cadeirantes que, a meu ver, aproveitavam a vila sem maiores problemas. Um senhor, sozinho, de cadeira motorizada e uma moça de cadeira normal sendo guiada pelo namorado.

Estacionamento e entrada da vila da Praia do Forte

O estacionamento fica em frente à entrada da vila, sem caminho de barro ou qualquer inconveniente do tipo. É lá também que param os ônibus e vans.

A cidade é cheia de hotéis e pousadas, a maioria razoavelmente cara. A pousada que eu fiquei, mais barata, não tinha acessibilidade e ainda era um pouco mais distante. Mas no centro da vila há várias opções mais caras, e um dos hotéis tinha aquele símbolo da cadeira, o que acredito que seja a indicação de quartos acessíveis. Ou estou errada?

Rua na vila da Praia do Forte

Trilha para entrada em uma loja no mesmo nível da ruaA vila toda é praticamente um caminho só, e todas as lojas, restaurantes e pousadas são normalmente no nível da rua. E, quando não é, a grande maioria tem rampas. É bem raro ver degraus por lá. No final da vila, há o Projeto Tamar (que eu acabei não indo nem obtendo qualquer informação graças à chuva) e a praia. Praia, areia, claro, inacessível… Pelo menos até Luciana de ‘Viver a Vida’ chegar lá! rs Mas, antes de efetivamente a praia começar, de frente pro mar, há um espaço razoavelmente grande, com três barracas de praia, e chão de madeira. Ou seja, dá pra ir da vila até essas barracas de frente pro mar sem problemas. Por culpa da chuva, não tirei foto.

Outra entrada de loja no mesmo nível da rua

Ruas da vila da Praia do Forte

Resumindo: o problema é só se chover! A cidade fica inabitável para pés e rodas!

Espero ter dado uma boa dica, um beijo. “

Observações do Nickolas: “Já fui na Praia do Forte há algum tempo atrás (acho que 2005), quando nem havia o blog.
Não tive nenhum problema para circular pela vila. Todos os lugares são no nível da rua. Algumas lojas tem um degrau na entrada, mas é uma minoria. Talvez já tenham até retirado. Havia vaga reservada no estacionamento e consegui usar o banheiro em um restaurante que parei para almoçar. Não cheguei a ir até o projeto Tamar.”

Nota da blogueira Bianca: O projeto Tamar, pelas fotos que encontrei na internet, não me pareceu acessível, pois é todo sobre areia da praia. Não me lembro se existem trilhas lá dentro (eu também já estive lá, há milênios).

Segundo nossa leitora e colaboradora Maria Paula Teperino o chão do Projeto Tamar é de cimento com uma camada fina de areia por cima (para compor o ambiente). Por conta disso, é possível circular com cadeiras de rodas no local. Abaixo fotos enviadas por ela:

Chão do Projeto Tamar - cimento coberto por areia

Chão do Projeto Tamar - cimento coberto por areia

Cadeirante olhando para tanque com tartaruga no Projeto Tamar

Se alguém tiver mais alguma informação sobre acessibilidade da praia, da vila ou do projeto Tamar, comente!

Sobre o autor / 

Cristal Bittencourt

Artigos relacionados

14 Comentários

  1. MARIA PAULA TEPERINO segunda-feira, 5 de julho de 2010 em 19:57 -  Responder

    Amigos, a Praia do Forte tem um acesso muito bom, assim como o Projeto Tamar. O Nickolas falou que ele é todo em areia e realmente a primeira impressão é que a cadeira vai afundar e não será possível andar, entretanto, embaixo da areia há uns blocos de concreto, onde pode-se andar tranquilamente com a cadeira sem correr o risco de se ficar atolado (tenho as fotos e estou mandando para o email do Mão na Roda, para o caso de quererem postar). Dá para se andar sem problemas por todo o espaço, que inclusive têm banheiros acessíveis, assim como as piscinas onde ficam as tartarugas estão numa altura que quem está sentado também pode apreciar. Vale apena conhecer o lugar e como fica há pouco mais de uma hora de Salvador, se as pousadas por lá estiverem muito caras, dá para ficar em Salvador e ir passar o dia lá.
    Até mais.

    julho 10th, 2010 - 21:30
    Bianca Marotta respondeu:

    Oi Maria Paula,
    Muito obrigada pelas informações e pelas fotos. Já as coloquei no post. Valeu mesmo! Agora já sabemos que cadeirantes tb podem ver tartaruguinhas fofas nascendo. Quando estive lá, tive a sorte grande de chegar no dia da desova. Lindo! beijos!

  2. Cristal segunda-feira, 5 de julho de 2010 em 20:21 -  Responder

    Uai, que susto eu tomei com esse post!

    Relendo-o agora, senti que eu podia ter tentado coletar algumas informações melhores… Mas, sabe como é, a bendita chuva não deixou!

    Espero que o post seja de alguma utilidade. É engraçado que, uma vez prestando atenção à acessibilidade, é difícil não reparar sempre nos lugares que a gente vai! Claro, como andante, muita coisa acaba me passando despercebida, mas sempre dou um valor mais (quem sabe os 10% da conta?) ao restaurante que se preocupa com isso, seja colocando banheiros acessíveis ou rampas.

    Aqui em Salvador mesmo, semana passada estive no Munik (um restaurante-cervejaria que fica na Pituba) e além do lugar ser muito bom, ele ainda me totalmente acessível. Com uma bela rampa na entrada e um banheiro grandinho para cadeirantes.

    Posso dar uma de ousada e sugerir um novo post? Talvez até já tenha algo assim por aqui, mas nunca vi. Um post com os itens que tornam um lugar acessível. É bom pra quem não tem conhecimento de causa, poder saber e dar valor a um lugar que for verdadeiramente acessível. Porque muitas vezes, ao ver só um banheiro por exemplo, podemos acabar comprando gato por lebre.

    E obrigada pela gentileza em publicar meu e-mail na íntegra!

    🙂

    julho 10th, 2010 - 21:32
    Bianca Marotta respondeu:

    Oi Cristal,
    Um milhão de desculpas por não ter te avisado da publicação do post! Falha enorme minha!!!
    E muito obrigada pelo texto e pelas fotos. Ficaram ótimos!
    Ah! Se por acaso você der um pulo lá no tal Munik de novo, não se esqueça de tirar fotos e nos enviar! É sempre bom termos colaboração de outros estados!
    E em relação a escrever sobre os itens que tornam um local acessível, adorei a idéia. Na verdade já é uma vontade antiga nossa, escrever sobre isso, mas sempre vamos deixando de lado. Vou colocar na pauta!
    beijos!

  3. Mila terça-feira, 6 de julho de 2010 em 20:48 -  Responder

    Adoro Praia do Forte!
    Tô sempre por lá, lugar animado, comida boa e quase que completamente acessível. Frequento Praia do Forte há muuuuito tempo, desde que era barro puro. Depois de uma “urbanização” que procurou manter o charme rústico, melhorou bastante.
    Segundo ouvi dizer, o plano diretor era q na avenida principal todas as casas tinham q ser acessíveis. Claro, sempre tem aquela loja q o povo vem com aquela “mas é só um batentezinho”. ¬¬
    Recomendo. Mas o estacionamento deixa muuuito a desejar. A cidade vive cheia e quase nunca dá pra achar vaga nesse daí q ela indicou. Tem outros pelo fundo, em q se precisa andar mais um pouco, mas dá certo.
    Um beijo e venham sempre visitar a Bahia!

    julho 10th, 2010 - 21:34
    Bianca Marotta respondeu:

    Oi Mila,
    ótimo ter mais uma opinião sobre a acessibilidade na Praia do Forte! Agora os cadeirantes já podem ir sem medo. O lugar é lindo mesmo, recomendo!
    beijos!

  4. Cris Costa quarta-feira, 7 de julho de 2010 em 15:33 -  Responder

    Eu tive na Bahia há uns 3 anos e não fui no Projeto pq achei que não era acessível. Uma pena. Não deixa de ser motivo pra voltar, rsrsrs. Bjs!

    julho 10th, 2010 - 21:34
    Bianca Marotta respondeu:

    Excelente motivo, Cris! Não deixe de voltar 🙂 beijos!

  5. Daniela Coutinho terça-feira, 15 de fevereiro de 2011 em 09:23 -  Responder

    Sds,
    Gostaria de saber se tem alguém que foi convidado a fazer estágio no Projeto Tamar e já tem indo, pois gostaria de partilhar algumas informações comigo? Etirar algumas dúvidas.
    Conto com a colaboração de vocês..
    Att: Daniela

  6. @gabiibertti segunda-feira, 7 de novembro de 2011 em 16:04 -  Responder

    as fotos são realmente, espetaculares *-*

  7. Carlos Vinnicius segunda-feira, 7 de novembro de 2011 em 16:10 -  Responder

    Muito legal 😀

  8. Anna Laura Freitas terça-feira, 8 de novembro de 2011 em 11:30 -  Responder

    Também gosto bastante da Praia do Forte.
    Pena que moro longe rs
    Moro em São Paulo – SP estudo na escola “EMEF- Professor Noé Azevedo”
    Fui para ai, em julho de 2011, e quero voltar…
    BEIJOS !

  9. Zilá Rios quinta-feira, 13 de outubro de 2016 em 12:45 -  Responder

    Adorei as informações!!!! Não sou cadeirante, mas uso muletas. Será que também vou conseguir me locomover com facilidade na Praia do Forte? Não entra carro na vila?

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão indicados com *

Connect with Facebook

Publicidade

Facebook