Opinião e cotidiano

Os desafios da volta ao lar

2

Um dos maiores problemas de quem se torna cadeirante de um dia pro outro é a volta para casa. E não tô falando de encarar as ruas inacessíveis não, estou falando de encarar o lugar onde moramos! Hospitais e centros de reabilitação geralmente são bem adaptados, têm rampas e portas largas, ao contrário da maioria das casas e apartamentos.

Comigo não foi diferente e, quando voltei do hospital para casa, foi um caos! Para entrar e sair do prédio tinha que ser carregado vários degraus acima e abaixo. Minha cadeira não entrava no banheiro e mesmo com a cadeira de banho não conseguia entrar no box. Solução? Tomar banho, durante 6 meses, no meio do banheiro, com uma mangueira ligada na pia, molhando tudo, e totalmente dependente de outras pessoas. Imaginem o trabalhão que dava para tomar um banhozinho simples…

Depois de 6 meses, conseguimos nos mudar para um prédio com apenas um degrau na entrada. Já conseguia entrar e sair do prédio sem mobilizar meia dúzia de pessoas. Para melhorar, comprei uma cadeira de banho com rodas grandes, mas estreita o suficiente para conseguir entrar no banheiro de serviço do apartamento. Pela primeira vez em mais de 6 meses consegui tomar um banho sozinho, e como curti aquele momento! Lembro-me até hoje da água batendo no rosto e da porta do banheiro fechada. Pode parecer bobo para quem não vivenciou, mas aquilo foi uma enorme conquista!

Como o apartamento era alugado, não foi possível alargar a porta do banheiro social. E como não dava para “pular” para cadeira de banho toda vez que tivesse que fazer xixi, a saída foi utilizar a velha garrafinha e o tanque da área de serviço. Também era por lá que eu lavava o rosto, fazia a barba e escovava os dentes. Tudo isso durou pelo menos uns quatro anos. Intimidade quase zero… Dureza, né?

Depois desse tempo todo, arrumei um par de dobradiças offset e finalmente consegui entrar no banheiro social com a minha cadeira! O banho continuava sendo no banheiro de serviço, mas agora eu já fazia o número 2 e todo o resto no banheiro social. Tudo bem  que o espaço era apertadíssimo e minha cadeira mal cabia lá dentro. Para usar a pia, tinha que me contorcer todo e para acessar o vaso usava meus dotes de ginasta, mas foi mais um passo adiante e tive aquela sensação boa de me sentir mais “gente” depois de 5 anos como cadeirante.

Ainda não era o ideal. Queria mesmo era um banheirão adaptado, portas largas e tudo mais que eu tinha direito! Mas isso ficaria pra depois. Reformar um apê alugado estava fora dos nossos planos…

(continua)

Sobre o autor / 

Eduardo Camara

Se não está viajando, está pedalando. Muitas vezes, fazendo as duas coisas ao mesmo tempo.

Artigos relacionados

2 Comentários

  1. HELENA DEMETRIUS quinta-feira, 22 de julho de 2010 em 21:07 -  Responder

    HOJE CREIO QUE VC JÁ VENCEU MUITAS DIFICULDADES MAS CADA EXPERIÊNCIA É UM APRENDIZADO QUE TE TORNA MAIS FORTE E COMPETENTE. CONTINUE LUTANDO, VENCENDO E ASSIM DIAS DE SOL FORTE QUE NOS TORNA FELIZES E DIAS MAIS NUBLADOS E MELANCOLICOS QUE NOS ENTRISTECEM, MAIS AÍ VEM A CHUVA, UMA FESTA ENORME DE RELÃMPAGOS E TROVÕES… ESTÁ CHOVENDO E LOGO VC VÊ QUE SUA PREOCUPAÇÃO E ANGUSTIA FOI EMBORA E MAIS UMA BATALHA FOI VENCIDA. VÁ EM FRENTE GAROTO DA HANDBIKE.. SOU SUA FÃ

    julho 27th, 2010 - 20:09
    Eduardo Camara respondeu:

    Oi Helena,

    Quando olho para trás e vejo tudo pelo que já passei, as dificuldades do dia a dia ficam bem mais amenas. É tudo uma questão de como encarar o que acontece com vc e como tocar as coisas dali pra frente da melhor maneira possível.

    Beijos!

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão indicados com *

Connect with Facebook

Publicidade

Facebook