Opinião e cotidiano

Censo 2010

58

Acabei de receber em casa a recenseadora do IBGE para fazer a coleta de informações do meu domicílio para o Censo 2010. Foi uma breve entrevista, durou menos de 10 minutos, com perguntas básicas sobre o domicílio, saneamento etc.  Ao final, perguntou sobre idade e renda dos moradores. E só.

Quando indaguei sobre perguntas para identificar particularidades das pessoas, sobretudo deficiência física, a resposta foi que essa pesquisa mais completa é feita em apenas 5% dos domicílios que são escolhidos aleatoriamente. Até aí tudo bem, pesquisa por amostragem é assim mesmo.

Mas… e se a amostragem tiver o azar de escolher poucos ou nenhum domicílio que tenha um deficiente físico? As informações mostrariam um universo de pessoas deficientes menor do que realmente é. No meu prédio, por exemplo, são mais de 200 apartamentos e tem apenas um (eu) cadeirante. Como eu não fui sorteado para a pesquisa completa, oficialmente não há nenhum. E se isso também acontecer nos outros 20 prédios da rua? Os dados do censo mostrarão um número menor de  pessoas com dificuldade de locomoção do que realmente existem. 

É obrigação legal do poder público garantir o direito de ir e vir. Mas também é obrigação fornecer educação, saúde, transporte etc. Assim, na hora de priorizar os investimentos públicos, questões como acessibilidade podem ficar em segundo plano, pois o número considerado de pessoas beneficiadas será menor do que a realidade.

Como o objetivo é visitar todos os domicílios do país, acho que o IBGE deveria ter montado uma pesquisa mais abrangente, orientando os recenseadores a captar mais informações quando identificassem casos particulares. Afinal, como esperar prioridade nos investimentos públicos se nem fazemos parte da estatística?

Sobre o autor / 

Nickolas Marcon

58 Comentários

  1. kekel domingo, 15 de agosto de 2010 em 05:15 -  Responder

    No meu prédio sou a única que usa muleta. O censo esteve sexta aqui em casa. Entrevistou meu caçula, em menos de 10 minutos também, que não sabia a renda da família e errou o ano do meu nascimento. O inacreditável é que Paulo falou que não sabia a renda e o rapaz pediu para chutar. Chutou errado também.
    Mais um furo…infelizmente.

    agosto 15th, 2010 - 14:08
    Nickolas Marcon respondeu:

    Mais um prédio que, estatisticamente, tem 100% de pessoas com locomoção perfeita… 🙁

  2. The Best domingo, 15 de agosto de 2010 em 05:18 -  Responder

    Nick,
    O censo brasileiro não tem por objetivo saber sobre deficiência fisica e sim apenas contabilizar a população e saber a renda deles.

    Foi aberta uma discussão sobre o assunto de porque não incluir algumas perguntas relativas a deficiência fisica e mental para avaliar e se obter estatísticas reais sobre o problema no Brasil. A resposta foi simples e rápida indicando que este é o método utilizado em todo o mundo, ou seja uma amostragem.

    E com um detalhe, você não pode solicitar a pesquisa completa.

    agosto 15th, 2010 - 14:04
    Nickolas Marcon respondeu:

    The best, eu penso que a amostragem é um bom método quando se faz estatística de coisas e fatos, mas o IBGE poderia sofisticar o método para considerar um universo de pessoas com tantas diferenças. A inclusão de uma pergunta não aumentaria o trabalho gasto e a amostragem poderia colher mais informações. Não seria o caso da pessoa solicitar a pesquisa completa, mas perguntas extras poderiam aparecer quando houvesse informações diferentes para colher.

    Não é porque o mundo todo faz assim que não há espaço para melhoria… 😉

    Um abraço.

  3. The Best domingo, 15 de agosto de 2010 em 15:19 -  Responder

    Eu concordo plenamente com você. E ainda acho que poderia ser feito um questionário a parte se fosse o caso, para isso era só ter um sim ou não.

    Mas pelo que li sobre este censo, ele está pior que o anterior. Segundo informações, nem a escolaridade está sendo questionada e as informações são relativas a junho de 2010.

    Esse censo eletrõnico leva menos tempo para apurar e para fazer o questionário, pois não tem alternativas do tipo outra. Por isso poderia se estender mais na questão da deficiência com certeza.

    agosto 16th, 2010 - 18:01
    Nickolas Marcon respondeu:

    Foi uma ótima oportunidade perdida de conhecer melhor a população.

  4. Charles segunda-feira, 16 de agosto de 2010 em 08:54 -  Responder

    è o censo, também esteve na minha na casa, e acreditem, fizeram as perguntas básicas, não questionaram a minha deficiência, não levou alguns minutos, eu questioneia o rapaz sobre a pesquisa aleatéoria, e a minha casa não estava incluida mas a do meu vizinho foi sorteada, na casa dele ninguém tem problemas de locomoção, todos são adultos, e trabalham, eu tenho uma filha pequena sou cadeirante e fiquei indiquinado.

    agosto 16th, 2010 - 18:03
    Nickolas Marcon respondeu:

    Mais um caso excluído… já são três só aqui no blog. Desse jeito vão chegar à conclusão que no Brasil todo mundo é atleta corredor de maratona.

  5. Bruna segunda-feira, 16 de agosto de 2010 em 19:35 -  Responder

    Gente, também achei estranho esse Censo que não faz estatística sobre quase nada. O meu consolo é que no meu prédio, 70% dos moradores são idosos que usam algum tipo de muleta, bengala ou cadeira de rodas. E tem 3 cadeirantes jovens. Então, acho que pelo menos um daqui vai responder a pesquisa mais detalhada. Ah, e eu não moro em nenhum tipo de clínica não…hehehe Como o bairro é plano e com boa acessibilidade, o povo com problema de locomoção acaba vindo morar aqui…hehe
    Bjs

    agosto 18th, 2010 - 23:56
    Nickolas Marcon respondeu:

    Bruna, os questionários completos serão feitos em 5% das pesquisas… como seu prédio tem “só” 70% de moradores com dificuldade de locomoção, se eu fosse pessimista diria que todos podem ficar de fora… ehehehe… Um abraço.

  6. Junior terça-feira, 17 de agosto de 2010 em 02:10 -  Responder

    Olá, desculpe descordar daqueles que pensam que o objetivo do sensu é apenas contabilizar e saber a renda da populaçao.
    Na verdade o sensu é justamente para saber sobre a realidade da populaçao brasileira mas com o objetivo de estabelecer politicas publicas.
    Já hove inumeros protestos a respeito do modo que o sensu trata a questao do deficiente. Infelizmente fazendo da forma que está, com certeza os numeros nao chegarao nem na metade da realidade da populaçao com deficiencia, e com isso pouco se fará politicas publicas relacionadas as pessoas com deficiencia e consequentemente nós mais uma vez seremos discriminados pelo proprio sistema.
    Particularmente eu entrei no site http://www.pgr.mpf.gov.br/ e deixei todo o meu repuldio no que se refere a esse sistema do sensu, visto que acrescentaram perguntas novas tipo; sobre uniao estavel de homossexuais e esqueceram o deficiente.Infelizmente me parece que a mobilizaçao deles nas paradas gays os fizeram ganhar mais importancia rsss é brincadeira né? mas é verdade.
    No site acima citado questionei inclusive que se o sensu é realizado com dinheiro publico etc…
    e quando se usa dinheiro publico, se espera um serviço de qualidade e que ao trazer numeros proximos a realidade as politicas publicas serao destinadas aos segmentos que mais precisam na sociedade e na condiçao de PCD me sinto totalmente lesado com isso, é um prejuizo aos cofres publicos fazer um sensu que não atende com a sua finalidade.
    Bora todo mundo entrar no site do mpf e carregar o sistema deles de protestos ou vamos entrar geral com Mandado de Segurança pra interromper esse sensu uahahauahua seria maneiro para-lo

    agosto 19th, 2010 - 00:14
    Nickolas Marcon respondeu:

    Boa ideia, Junior… só a mobilização das pessoas durante esse CENSO poderá trazer melhorias nas próximas edições. Um abraço.

  7. Nelci terça-feira, 17 de agosto de 2010 em 17:01 -  Responder

    Eh,eh, parece que continua a mesma novela: no Brasil não querem saber a verdade e sim obter algum dado para enrolar o povo e tentar justificar o injustificável.

    agosto 19th, 2010 - 00:15
    Nickolas Marcon respondeu:

    Pois é… a política é a eterna manipulação das massas, e as ferramentas para isso são disfarçadas de várias formas, inclusive as pesquisas…

  8. Alexandre terça-feira, 17 de agosto de 2010 em 17:13 -  Responder

    Lá em casa fizeram o formulário completo. Não estava em casa, minha mãe que respondeu.
    E tão grave quanto não perguntarem sobre pessoas com deficiência no formulário padrão, é não perguntarem sobre nível de escolaridade. Ou seja, o censo não serve pra grande coisa, parece ter apenas conotação eleitoral.

    agosto 19th, 2010 - 00:17
    Nickolas Marcon respondeu:

    Percebi que essa pesquisa piorou MUITO em relação às anteriores. Parece que o governo só quer saber da renda para estimar quanta propaganda vai fazer do bolsa-família.

  9. Charles quarta-feira, 18 de agosto de 2010 em 08:39 -  Responder

    Acho que o censo serve para saber o n° de votos que os candidatos vão receberer comprando com algumas cestas básicas.

    agosto 19th, 2010 - 00:19
    Nickolas Marcon respondeu:

    ou, como escrevi aí em cima, os votos que vão ganhar com o bolsa-família…

  10. MARIA PAULA TEPERINO quarta-feira, 18 de agosto de 2010 em 15:39 -  Responder

    Acabei de receber a recenssiadora e também respondi o formulário básico. Aqui no prédio com deficiencia física, somente eu e uma senhora que anda de cadeira de rodas em razão da idade avançada. Mais um sem ser computado.
    Dessa maneira vão dizer que, “em 8 anos o Brasil conseguiu reduzir a deficiencia no pais”…rsss

    agosto 19th, 2010 - 00:21
    Nickolas Marcon respondeu:

    Viu como é fácil fazer bem à população? Se o governo não pode fazer ninguém andar, é só não contar os que não andam que a população vai parecer toda perfeita… seria cômico se não fosse trágico.

  11. Marcelo Oliveira quarta-feira, 18 de agosto de 2010 em 20:16 -  Responder

    Posso até estar errado por ter feito assim, mas quando o recenseador bateu aqui disse à minha esposa que o dispensasse. No último senso também fiquei indignado por não ter havido sequer uma única pergunta sobre deficiência! É o fim!!!

    Marcelo

    agosto 18th, 2010 - 23:53
    Nickolas Marcon respondeu:

    Marcelo, acho que sua conduta não foi adequada. Era possível que o questionário completo fosse feito justamente para você. Mesmo que não fosse, acho que todos devem colaborar para que o estudo seja feito e, quem sabe, melhorado nas próximas edições. Um abraço.

  12. maria jeronimo da silva quinta-feira, 19 de agosto de 2010 em 21:31 -  Responder

    Ola eu não me senti a vontade,com a funcionaria do senso achei ela muito arrogante e atrevida por ser minha vizinha e morar na mesma rua e mais minha filha Vitoria tem sete anos e sempre brincou com a filha dela , e quando ela chegou na minha porta para fazer a pesquisa fui abordada com indiferença,me senti coagida a estar respondendo coisas singilosas para uma pessoa que se dizia que naquele momento eu era desconhecida para ela . fiquei mais de 40 minutos para responder umas perguntas por ex: se meu marido era do sexo masc- ou feminino se minha filha vitoria era do sexo masc-ou feminino se o meu carro funciona, eu achei que ela perguntou alem do que necessario ouvi um pouco de assedio moral ate porque eu a conheço pois ela e moradora da minha rua .tem algum adivogado que possa me explicar os acontecimentos desta condulta . Ela não me falou no inicio da conversa se poderia esta respondendo para ela ou pela internete.ela agil corretamente?

    agosto 20th, 2010 - 11:24
    Nickolas Marcon respondeu:

    Maria, essas questões devam ser encaminhadas ao próprio IBGE, que é responsável pelos recenseadores. O site do Censo 2010 é http://www.censo2010.ibge.gov.br e lá você poderá encaminhar essa mensagem.
    Um abraço.

  13. Breno Nogueira sexta-feira, 20 de agosto de 2010 em 21:07 -  Responder

    Também acabei de receber aqui em casa a recenssiadora e também respondi o formulário básico, sem nenhuma referência a questão da deficiencia física, e concordo que essa seria uma ótima oportunidade, que foi perdida, para conhecer realmente a necessidade de acessibilidade das cidades para nós cidadoes que pagamos impostos e não temos nosso direito de circular pelas vias públicas respeitado.

    agosto 24th, 2010 - 21:40
    Nickolas Marcon respondeu:

    Breno, eu ainda não perdi a esperança de que os milhões de cidadãos com dificuldade de locomoção possam ver seu direito constitucional de ir e vir respeitado. As eleições estão aí para isso… vote consciente. Um abraço.

  14. maria jeronimo da silva sexta-feira, 20 de agosto de 2010 em 22:46 -  Responder

    Ola, Nicolas muito obrigado pela sua atenção e resposta um forte abrço.

  15. Rafael sábado, 21 de agosto de 2010 em 03:35 -  Responder

    Olá. Eu sou recenseador do censo 2010 e concordo com o que voce falou. Antes mesmo de ler seu blog ja pensei nisso. Deveria realmente ter perguntas opcionais para casos especificos. Não só para domicilios com pessoas de problema de locomoçao , mas tb para domicilios com pessoas com problemas auditivos e de fala. Então. Acredito que se houver uma mobilização por parte de pessoas interessadas ou até mesmo uma petição , acredito que para o proximo censo poderá ocorrer esta possibilidade. Saude e paz a todos.

  16. Rafael sábado, 21 de agosto de 2010 em 04:05 -  Responder

    repensando o que falei acima. Eu acho que se incluisse uma questão no questionario básico do censo 2010 sobre dificuldade de locomoçao ou problema fisico , quaisquer que sejam , teriam que ser incluidas também perguntas sobre deficicencia auditiva , deficiencia visual , diabetes, aids , problema mental , neurologico , hpv , labirintite , diabetes , alzheimer , …e por ai vai. Acredito que seria muito justo a inserção de uma questão , (logo após as perguntas sobre os nomes das pessoas que moram no domicilio), que perguntaria o seguinte: “Algum morador deste domicilio possui algum problema fisico , mental ou outro tipo de doença?” e se a resposta for SIM , surgiria uma lista com inumeras deficiencias ou doenças para que entao fosse selecionada uma ou mais.

    agosto 24th, 2010 - 21:42
    Nickolas Marcon respondeu:

    Rafael, é bom saber que existe essa preocupação do outro lado também. Sua ideia é ótima. Como não é mais possível fazer mudanças para essa edição do Censo, vamos esperar a divulgação dos dados para promover um questionamento incisivo sobre a falta de detalhes no estudo. Um abraço.

  17. Cris Costa sábado, 21 de agosto de 2010 em 12:05 -  Responder

    Nick, quando vc vai se candidatar a presidência? rs. Brincadeiras a parte, o Censo é pra contabilizar votos. Uma pena, muita coisa bacana poderia ser feita se fizessem algo decente. Bjs, Cris.

    agosto 24th, 2010 - 21:48
    Nickolas Marcon respondeu:

    Cris, já estou formando minhas alianças. Só falta decidir quem vai ser meu vice. :-p

    Beijo……..

  18. eu refleti, e vc sábado, 21 de agosto de 2010 em 19:09 -  Responder

    http://xomoralimposta.blogspot.com/
    acesse e comente, nao vamos deixar este absurdo sem resposta!!!

    agosto 24th, 2010 - 21:47
    Nickolas Marcon respondeu:

    Os comentários que faz podem ser anônimos, mas acho que você devia se identificar e assumir sua responsabilidade sobre o que escreve no seu blog. Esse é o primeiro passo para gerar credibilidade nas suas palavras. A ética é das pessoas, não das coisas. Não há ética sem personalidade. Reflita sobre isso.

  19. Eliane Sandra quarta-feira, 25 de agosto de 2010 em 22:40 -  Responder

    Olha, eu realmente não entendo como é que um governo se dá ao trabalho de enviar recenseadores a TODAS as casa do país para não fazer nenhuma pergunta que preste. Aqui em casa nem chegaram a perguntar sobre renda ou escolaridade, perguntaram se tinha água encanada, esgoto e computador.

    agosto 26th, 2010 - 13:32
    Nickolas Marcon respondeu:

    Antes eu pensava que o objetivo do Censo era apurar o perfil da população, mas agora já estou pensando que é identificar onde o governo quer fazer propaganda de obra de saneamento…

  20. Amaury Ribeiro sexta-feira, 27 de agosto de 2010 em 22:20 -  Responder

    Fico impressionado com o descaso com os “matrixianos”, realmente somos invisíveis, para esse Governo que vende ilusões.

    agosto 28th, 2010 - 14:48
    Nickolas Marcon respondeu:

    Precisamos achar um meio de levar Morpheus até o Oráculo para melhorar a acessibilidade dessa “matrix” em que vivemos…

  21. Menina ;D terça-feira, 31 de agosto de 2010 em 20:08 -  Responder

    Olá…

    Sou supervisora do Censo deste ano. Fiz o PSS e também fico indignada com algumas “coisas” que acontecem.

    Somente gostaria de abrir um parênteses na questão de nossa amiga acima, quando questionada sobre sexo dos moradores. Os recenseadores sao instruídos a fazerem as perguntas exatamente como estão, e registrarem unicamente o que o morador responde. Se houver um transexual na sua família, ele não se sentirá constrangido desta forma. Da mesma forma as perguntas sobre etnia, voce pode ser nitidamente negra, mas é voce quem optará.

    Concordo com voces, e acredito, agora estando dentro deste processo, que somente mudaremos algo ao modo que entrarmos no sistema. Infelismente deveríamos ser ouvidos, mas isso não acontece. Tem muita gente ultrapassada trabalhando no IBGE. Sou contratada temporária e é provável que ano que vem seja feito concurso para quadro de efetivos. Estarei lá participando e se eu entrar eles vão ter que me aturar.

    Peço desculpas por não me identificar, mas sabe como é o sistema, se souberem quem sou é bem provável que eu não passe na prova do ano que vem… 🙁

    Abraço.

    setembro 6th, 2010 - 11:47
    Nickolas Marcon respondeu:

    A renovação dos quadros dos órgãos públicos é a melhor forma de atualizar o funcionamento desses órgãos. Espero que nesse concurso sejam admitidos alguns deficientes que venham a ser atuantes nas suas áreas, assim a questão comecerá a ter mais peso dentro das pesquisas futuras.

  22. Eu mesma sexta-feira, 3 de setembro de 2010 em 10:42 -  Responder

    Olá! Como sou recenseadora também prefiro não me identificar…
    Bem, infelizmente não podemos mudar nada para o censo 2010 e as perguntas são feitas sem que a população possa opinar… o que é bem ruim.
    Li que alguém aí em cima despachou o recenseador, gente nós recebemos por produção e podemos deixar apenas 5% dos domícilios do nosso setor como fechados (ou seja, domícilios em que não foi possível encontrar o morador) então, o recenseador não vai receber enquanto não conseguir entrevistar todos os domicílios! Por isso voltamos tantas vezes no mesmo domicílio quando ninguém abre a porta.
    Na verdade é 10% dos domicílios que respondem o questionário amostra (o mais extenso). E também acho que no básico faltam muitas questões a serem debatidas, mas não podemos mudar em 2010 apenas em 2020!
    Bjos e até mais!

    setembro 6th, 2010 - 11:49
    Nickolas Marcon respondeu:

    Prezada, como respondi acima, tomara que a renovação dos quadros de funcionários até 2020 traga para o IBGE pessoas com maior visão para a importância da população deficiente num planejamento de governo. Um abraço.

  23. Guilherme segunda-feira, 6 de setembro de 2010 em 11:10 -  Responder

    Olá a todos!
    Sou recenseador do IBGE e essa é a segunda vez que participo dos Censos, A ULTIMA FOI EM 2007 no Censo da Contagem da População.
    Bem, o que tenho a dizer é o seguinte. O IBGE esse ano com relação aos questionarios, está usando esse sistema de amostragem, que realmente podem alterar o resultado final das estatisticas não só em relação a os deficientes fisicos e até mesmo mentais, mais sim todas as outras questões que não aparece no questionario básico (aquele que dura menos de 10 minutos). Outra informação que também podem complicar o resultado e a vida dos recenseadores é que: O IBGE estabeleceu uma idade minima para morador entrevistado, pessoas com até 10 anos podem responder ao censo e até mesmo ser considerada como morador responsavel pelo domicilio (como no caso citado por Kekel acima). Agora imaginem se realmente uma pessoa com 10 anos tem o conhecimento necessario para um questionario de Amostragem, já que no básico elas chutam um valor na renda da familia (pela qual não é responsavel). Fiz uma entrevista com 2 meninas aqui com 10 anos, mas é orrivel, pois a maioria das informações é chutada e o pior, uma delas foi o questionario de Amostra, ela ( morador com 10 anos) estava sozinha em casa com uma amiguinha, mas como eu poderia entrevistar alguem com 10 ou mais, conduzi a entrevista, mas provavelmente ela não tinha certeza das respostas, principalmente em perguntas sobre feculdidade, isso mesmo, no questionario de Amostra faz perguntas sobre isso para as moradoras com 10 anos ou mais (sexo feminino) imaginem como serei interpletado pelos pais dela por fazer perguntas sobre se a jovem já viveu com companheiro ou se já teve filhos. Tudo isso podem influenciar no resultado final do censo e principalmente nos serviços sociais realizado a partir das estatisticas coletadas. E também complica o nosso trabalho com recenseador OK! Pois fazermos o que estiver ao alcance, mas, o IBGE deixou bem claro que o que vale é a resposta do morador e em impotese alguma podemos influenciar a resposta, mesmo que o morador tenha apenas 10 anos de idade.

    setembro 6th, 2010 - 11:54
    Nickolas Marcon respondeu:

    Guilherme, saber desses detalhes nos deixa com uma impressão ainda pior sobre a qualidade do estudo feito. Realmente é lamentável que tenha se dispendido tamanho esforço, tempo e capital para realização de uma pesquisa tão ruim. Nesse ponto, a culpa não pode ser atribuída aos recenseadores, pois sabemos que infelizmente nada poderiam fazer em desacordo às orientações que foram passadas. Lamentável.

  24. salvador quarta-feira, 8 de setembro de 2010 em 11:05 -  Responder

    Olá tudo bem

    Fiquei a mim perguntar, por que as perguntas a que foram dirigidas, não satifaz a realidade que se tem o proposito de mostrar ao país.
    pro exemplo: escolaridade, se é ou não deficiente, se tem carro ou casa propria, viuvo ou separado etc.

    setembro 17th, 2010 - 15:04
    Nickolas Marcon respondeu:

    Não foi só você que ficou com a dúvida na cabeça… Um abraço.

  25. jefferson rondon de souza segunda-feira, 13 de setembro de 2010 em 18:34 -  Responder

    1° sou recenseador em MT,e em minha opnião este censo é valido sim, o unico problema é que o Brasileiro tem por mania de criticar antes de saber a realidade,pois fiquem vocês sabendo que o censo de amostragem sera feita em 7 milhões de residência em todo pais “o dito 5%” os quais em outros paises da europa e américa do norte usõ somente 2% e comprovado que funciona,sabem o porque?por prestarem informações veridicas e não falsas como na grande maioria de brasileiros,principalmente se tratando de renda,isso sem falar na falta de respeito com recenseador que vai varias vezes em casas de pessoas consideradas de classe A e B e são destratadas ao inverso das classes mewnos favorecidas “favelados e até bandidos ” que respeitão o recenseador por saberem que estamos fazendo um serviço de prestação a sociedade.
    tome-se como exemplo:um bairro novo que estou trabalhando no momento:não tem escola,posto de saúde,creche etc e por esta pesquisa irão verificar a quantidade de moradores e crianças em idade de estudo e etc.
    isso é censo é brasil e não um partido politico que estão querendo pintar.

    setembro 17th, 2010 - 15:06
    Nickolas Marcon respondeu:

    Obrigado por compartilhar suas ideias conosco. As opiniões das minorias são sempre importantes para enriquecer a discussão.

  26. jefferson rondon de souza sábado, 18 de setembro de 2010 em 11:07 -  Responder

    esta não é a opnião da minoria, e sim de pessoas que tem uma visão mais ampla da realidade Brasileira,pois só quem tem contato com o censo de bater em porta em porta todos os dias da clase A a classe z tem uma visão mais apurada da realidade e nececidades.

    abço

    dezembro 30th, 2010 - 14:56
    Nickolas Marcon respondeu:

    Ok.

  27. francelia oliveira segunda-feira, 1 de novembro de 2010 em 11:05 -  Responder

    o ibge alem de pagar muito mau,ainda nao deixa opçao disponivel para os recensseadores verem quando sai os seus direitos trabalhistas. isso e uma pouca vergonha,para uma instituiçao que se diz tao seria.

    dezembro 30th, 2010 - 15:01
    Nickolas Marcon respondeu:

    Consulte o site http://www.trt1.jus.br para reclamar seus direitos.

  28. Anônimo sexta-feira, 10 de dezembro de 2010 em 14:07 -  Responder

    Olá.
    Fui ACM (Agente Censitário Municipal) no Censo 2010 em uma cidade do Rio Grande do Sul e prefiro não me identificar. Apesar deste cargo ser de gerenciamento, estive participando ativamente do processo de coleta e por isso creio que tenho alguma experiência para compartilhar. Durante toda coleta fiz cerca de 80 entrevistas e tive a oportunidade de conhecer os dois lados da moeda. Claro que todos tem o direito de questionar a metodologia do Censo 2010, o que é extremamente válido para o exercício da democracia, mas bater a porta na cara do recenseador por não concordar com o método da entrevista ja é exemplo de mau caráter. Imaginem-se no lugar do recenseador, que ganha por produção e tem que voltar várias vezes a casa do entrevistado debaixo de sol e chuva até conseguir entrevistar alguém.
    E sobre a questão da amostragem, já é de conhecimento público (ou deveria ser) que em países como a França e os Estados Unidos, onde o percentual de amostragem é menor ainda, há poucos questionamentos sobre os resultados porque o povo é honesto! Sim, brasileiros mentem e muito. É por isso que somos conhecidos pelo jeitinho brasileiro.
    Vejam o caso de uma pessoa que entrevistei:
    “Morador de tal TEM DIFICULDADE PERMANENTE DE ENXERGAR?”
    “Não sei, coloca qualquer coisa aí.”
    “Mas senhor, não possu deduzir respostas. Apenas o morador pode respondê-las.”
    “Então põe aí que sou cego.”
    “Tem certeza senhor? E além disso há apenas opções por níveis de dificuldades que são:
    1- SIM, NÃO CONSEGUE DE MODO ALGUM
    3 – SIM, ALGUMA DIFICULDADE
    2 – SIM, GRANDE DIFICULDADE
    4 – NÃO, NENHUMA DIFICULDADE”
    “Sei lá, põe a última então.”

    Tive que, infelizmente, registrar o que o morador respondeu, mesmo vendo que ele não tinha nenhuma dificuldade em enxergar. Pessoas assim, acreditem, foram cerca de 60% das pessoas que entrevistei. Agora quem pergunta sou eu: É o método da pesquisa que interfere na qualidade dos resultados ou o caráter dos entrevistados? E para completar, os níveis de amostragem não são fixos, como todos estão afirmando aqui. Eles variam de cidade para cidade, dependendo da população estimada de cada uma:
    Até 2.500 50%
    Mais de 2.500 até 8.000 33%
    Mais de 8.000 até 20.000 20%
    Mais de 20.000 até 500.000 10%
    Mais de 500.000
    Utilizando outras palavras, como fazemos para medir a potabilidade da água de um lago (universo)? Temos que coletar e analisar toda a água do lago? A resposta é não!!!
    A coleta e análise de toda a água do lago levaria muito tempo, resultando, dentre outros fatores, a demanda de muito trabalho e consequentemente um alto custo para sua realização.
    A solução para medir se a água deste lago é potável ou não está inserida no conceito de amostragem.
    Para isto, devemos coletar amostras de água de diferentes lugares do lago, em diversas profundidades, para que possamos concluir se sua água é potável ou não. Para encerar essa longa conversa, não estou defendendo o IBGE, já que sei que o órgão tem sim muitos erros, assim como qualquer órgão público e privado do país. Ou a empresa onde você trabalha é perfeita?
    Obrigado pelo espaço.

  29. Anônimo sexta-feira, 10 de dezembro de 2010 em 14:12 -  Responder

    Desculpem

    Vou corrigir alguns erros do meu comentário anterior, que cometi pelo calor da discução.
    A última opção da entrevista é: “sim, não consegue de modo algum’ e não “não, não tem nenhuma dificuldade”. Inverti a ordem das opções e por isso o depoimento ficou contraditório. E outra informção que faltou foi que nas cidades com população acima de 500.000 a amostragem é de 5%.

    dezembro 30th, 2010 - 15:02
    Nickolas Marcon respondeu:

    Ok, obrigado por compartilhar as informações conosco.

    Um abraço.

  30. Daiane quinta-feira, 30 de dezembro de 2010 em 12:34 -  Responder

    Minha mãe não participou da pesquisa do censo e ela é servidora publica… O q pode acontecer com ela?

    dezembro 30th, 2010 - 15:03
    Nickolas Marcon respondeu:

    Não sei. Procure informações em http://www.google.com

    Um abraço.

  31. Antunes quarta-feira, 16 de maio de 2012 em 22:57 -  Responder

    Acabei de ler um artigo na net que fala sobre problemas da acessibilidade e fui olhar melhor o assunto, pq meu pai anda muito doente e usando cadeiras de rodas e me encontrei esse seu depoimento.
    Minha solidariedade e admiração.
    o texto na net está em Recanto das Letras, o link:
    http://www.recantodasletras.com.br/artigos/3671153

    muito imoral essa situação de desrespeito que a gente estando bem nem percebe, obrigado pela ajuda literaria sobre o assunto.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão indicados com *

Connect with Facebook

Publicidade

Facebook