Dicas

Livros sobre cadeirantes

24

Quem ficou cadeirante no meio da vida sabe o desespero que é correr atrás de informações para conseguir entender um pouquinho melhor o que aconteceu e como o corpo vai funcionar dali em diante. Da mesma forma, conhecer a história de outras pessoas que passaram pela mesma situação também é muito importante para enxergar que há vida após a cadeira de rodas.

Hoje em dia a Internet facilita muito essa busca, tanto pela existência dos blogs e sites sobre o assunto quanto pela possibilidade de conversar com outros cadeirantes mais experientes em qualquer lugar do Brasil e do mundo. Ainda assim, há livros que contam histórias muito interessantes e que valem a pena ser lidos. Fiz uma lista de alguns que já li, com um pequeno resumo, e quem tiver outras dicas coloca aí nos comentários!

Feliz Ano Velho (Marcelo Rubens Paiva)

Esse é o clássico dos livros sobre cadeirantes. Como quase todos os outros livros sobre o assunto, é autobiográfico e conta a história do autor, que ficou tetraplégico durante a época da faculdade. A história se passa há 30 anos atrás, quando a reabilitação era ainda mais dura do que hoje em dia, mas conta com detalhes como é a volta para casa, o relacionamento com amigos, família e namoradas. Impossível não se identificar com alguma coisa… É um ótimo livro, vendeu pra chuchu e criou uma legião de fãs para o Rubens Paiva. Já tinha lido na época de andante e li novamente como cadeirante. Altamente recomendado!

Revolução Sexual Sobre Rodas (Fabiano Puhlman)

É um livro mais técnico, escrito pelo psicólogo Fabiano Puhlman, que é cadeirante. Não conta a história de vida do autor, mas fala sobre situações vividas por algumas pessoas. O livro é elogiadíssimo por terapeutas, mas eu não gostei tanto. Talvez pela abordagem distanciada, ou porque o li quando já tinha descoberto a maior parte das informações sobre o assunto.  Na minha opinião, a ficha cai melhor quando a gente se identifica com a história e os personagens.

Minha Profissão É Andar (João Carlos Pecci)

Conta a história do irmão menos famoso do Toquinho. Dizem que o autor é gente finíssima – não o conheço pessoalmente -, mas o livro é chaaaato pra chuchu. No livro, o autor tem uma obsessão danada por andar com aparelhos e de repente serve como fonte de inspiração para quem tem o mesmo objetivo. Pra mim, a leitura foi uma tortura e só completei porque, assim como o autor tinha obsessão por andar, eu tinha por conseguir informações sobre reabilitação e lesão medular. Recomendo apenas para os igualmente obsessivos.

Velejando a Vida (João Carlos Pecci)

Segundo livro do Pecci, que conta a história dele tentando engravidar a mulher. Ok, resumi demais. Mas basicamente é isso aí mesmo. Achei melhor que o “Minha profissão…” e é um livro interessante para quem é lesado medular e está planejando ter filhos, mas não fala quase nada sobre a primeira fase da reabilitação.

No Silêncio do Sexo (Ricardo Marcondes)

Quando li esse livro, adorei! Tinha conhecido o autor – um sujeito pra lá de carismático – em um curso no CVI do Rio e corri atrás do meu exemplar. O livro aborda o sexo antes e depois da lesão de uma forma natural e sem pudores com a qual me identifiquei de imediato. Claro que eu sou muito menos canalha e galã  do que o autor, mas vivi várias das situações relatadas no livro. A primeira ida dele ao motel é um clássico! Recomendo, principalmente para os homens.

Na Minha Cadeira ou na Tua (Juliana Carvalho)

Last, but not least, o livro da Ju. É o mais recente de todos esses e muito, muito atual. Ju é uma menina fantástica e conta sua história sem dar voltas, indo direto ao ponto. Fala sobre o começo da vida de cadeirante, a reabilitação, os namoros, sexo, trabalho, família e tudo mais. Para quem quer ter uma idéia de como é o livro, basta ler o blog da autora, que também apresenta um programa na TV Assembléia do RS. Recomendadíssimo para as meninas e também para os mais jovens!

E você,  já leu algum desses livros? Dê sua opinião!

***

Quebra de Script (Thomaz Magalhães)

Lembrei que também tinha lido esse livro após o comentário da Juliana Oliveira aqui no post. O Quebra de Script conta a história de Thomaz Magalhães, um empresário bem sucedido que virou cadeirante após cair do cavalo (literalmente). O livro é bastante focado na questão da superação e o autor faz um paralelo da sua reabilitação e determinação com o mundo dos negócios. Ele parece uma pessoa fantástica (fiquei com vontade de conhecê-lo), mas eu diria que o livro é mais sobre negócios e religião – Thomaz é um católico pra lá de dedicado – do que outra coisa. “Quebra de Script” pode ser bem interessante para quem busca apoio na fé, mas não me identifiquei com a história.

Sobre o autor / 

Eduardo Camara

Se não está viajando, está pedalando. Muitas vezes, fazendo as duas coisas ao mesmo tempo.

Artigos relacionados

24 Comentários

  1. Ronald Andrade Filho segunda-feira, 29 de novembro de 2010 em 14:11 -  Responder

    Já li os três primeiros e ainda vou ler os outros. O “No Silêncio do Sexo” eu ainda não conhecia, mas agora vou procurar. Se tiverem outras dicas podem mandar que eu leio, hehehe.

    novembro 30th, 2010 - 11:30
    Eduardo Camara respondeu:

    Oi Ronald! Se não encontrar o “No silêncio…”, me avisa que eu acho que tenho um sobrando… Te mando se vc prometer enviar pra outro cadeirante assim que terminar 🙂

    Eu cheguei a ler outros livros, mas esses aí realmente são os melhores!

    Abraços!

  2. Tuigue Venzon segunda-feira, 29 de novembro de 2010 em 18:17 -  Responder

    Eu já li os dois primeiros livros, quando comecei a andar de muletas li Feliz ano velho, que me ajudou muito a encarar a vida de um outro ângulo digamos assim… rsrs Pois rir da própria deficiência é o melhor remédio para encarar a vida com mais leveza!!!

    E “A revolução sexual sobre rodas”, li faz uns dois anos, um bom livro pra quem sofreu algum trauma recentemente, recomendo pois o conteúdo do livro vê a deficiência como um todo…

    Vou procurar as outras indicações, pois ler nunca é demais… haha

    Abraço!!!

    novembro 30th, 2010 - 11:31
    Eduardo Camara respondeu:

    Tuigue, concordo plenamente com vc! É ótimofazer piada de nós mesmos 🙂

    E tenta ler o livro da Ju. Acho que vc vai gostar!

  3. Milton Speroni segunda-feira, 29 de novembro de 2010 em 21:37 -  Responder

    Não li nenhum deles! Feliz Ano Velho, tomei nojo. Enquanto eu passava seis meses na UTI, entre morre e não morre, pilhas e pilhas de Feliz Ano Velho chegavam.
    Devo ter recebido no mínimo 15 exemplares.Sem chances de ler.
    Assim como você, buscava outras informações, que acabavam me chegando a duras penas e com aprendizados próprios.
    Abraços
    Milton, Tania e Ana Sofia Speroni( feita sem ler o livro do irmão do Toquinho)

    novembro 30th, 2010 - 11:32
    Eduardo Camara respondeu:

    Milton,

    Agora que as coisas acalmaram, lê o Feliz Ano Velho. Vale a pena!

    E do livro da Ju, o que vc achou?

    Abraços!

  4. Luiz Otávio Seabra terça-feira, 30 de novembro de 2010 em 01:22 -  Responder

    Ja li “Na minha cadeira ou na tua” da lindíssima Juliana Carvalho e gostei muito de seu estilo e como relatou tudo que aconteceu, suas dificuldades, superação…Muito show mesmo.

    Agora estou lendo “Feliz zno velho” e de princípio, já estou gostando da forma como conduz sua história.

    É muito importante buscarmos informações porque é tudo novo, uma vida nova que temos que descobrir aos poucos.

    Um grande abraço a todos.

    novembro 30th, 2010 - 11:33
    Eduardo Camara respondeu:

    Luiz, se vc gostou do livro da Ju, dá uma lida em “No silêncio do sexo”, que segue mais ou menos essa linha.

    Abração!

  5. Gil Porta terça-feira, 30 de novembro de 2010 em 18:02 -  Responder

    Já li “Feliz Ano Velho” várias vezes e não teve jeito. NÃO GOSTEI! O filme, achei melhor.

    “Minha Profissão é andar”: gostei bastante porque era o que eu estava procurando na época em que tentava voltar a andar com órteses e canadenses.

    “Velejando a Vida”: foi com este livro que aprendi a técnica do massageador. Gostei muito.

    dezembro 1st, 2010 - 14:10
    Eduardo Camara respondeu:

    Fala, Gil! Gostei do livro e do filme!

    O lance do massageador do Velejando a Vida é legal sim! Acho que serviu pra uma galera…

    Abração!

  6. claudete terezinha bona quarta-feira, 1 de dezembro de 2010 em 19:36 -  Responder

    Derrame 53 anos 7 anos(derrame)mãos e perna direita…cadeira de rodas motorizados usados doações NATAL

  7. claudete terezinha bona quarta-feira, 1 de dezembro de 2010 em 19:41 -  Responder

    Abraços……

  8. Patrícia Lorete quinta-feira, 2 de dezembro de 2010 em 18:57 -  Responder

    Olá,

    Não sou uma lesada medular. Sou portadora de uma doença chamada AME (Atrofia Muscular Espinhal), tbm conhecida como Amiotrofia Espinhal progressiva.
    Bom…li o, Feliz Ano Velho, há 2 meses atrás. Eu simplesmente AMEIIIIIIIIIIIIIII. Me identifiquei muito, ri pra caramba e aprendi um pouquinho sobre lesão medular… aprendi que se sua lesão for na C6 ou C7 vc tem extensão de punho kkkk Acho que é isso! Li baixado da internet.
    O livro da Ju sou louca pra ler, mas como quase não saio de casa acabo não conseguindo comprar. Aff!

    bjssssss

    dezembro 3rd, 2010 - 12:46
    Eduardo Camara respondeu:

    Independente de ter ou não lesão na medula, o Feliz Ano Velho é uma ótima opção de leitura! E tenta comprar o livro da Ju pela Internet! 🙂

    beijos!

  9. Camila quinta-feira, 2 de dezembro de 2010 em 23:55 -  Responder

    Nossa! Que coincidência!!!! Na semana passada peguei (sem querer) o “Minha profissão é andar” p/ reler… Ontem mesmo fui dormir quase 3h da manhã pq não conseguia parar a leitura…rssrsr
    A primeira vez que li não achei muita graça (acho q por ter menos de 15 anos de idade na época… não entendia mt as coisas…). Hoje tem feito muito sentindo, estou absorvendo o conteúdo de outra forma! Para mim tem sido fantástico (talvez por ter +ou- a mesma obsessão do autor..rs) !
    Também já li o “Feliz Ano Velho” (ainda mt nova)… Em breve quero reler 😉
    Ah! Legal as outras dicas… Vou comprar!
    Bjsss

    dezembro 3rd, 2010 - 12:54
    Eduardo Camara respondeu:

    Compra sim, principalmente o da Ju! O “Minha profissão…” eu não consigo gostar 🙂

    Beijos!

  10. Juliana Oliveira sábado, 4 de dezembro de 2010 em 12:14 -  Responder

    Eu li recentemente “Quebra de Script” de Thomaz Magalhães… nossa!!! Adoreiiii !!! Principalmente pq ele fala que passou a ter FÉ depois da lesão por conta da esposa e se voltou para trabalhos da Igreja.
    Além disso, a história dele no esporte como superação após a lesão e como ajudou outras pessoas (mesmo andantes) é fantástica.
    Estou louca para ler “Feliz Ano Velho”, pois soube que é ótimo, sem falar nos post que mencionam ele.
    Gosto muito do blog.
    Abraços.

    dezembro 5th, 2010 - 12:56
    Eduardo Camara respondeu:

    Caraca, Juliana! Tb li o “Quebra de Script” esse ano e acabei esquecendo de colocá-lo na lista… O livro é legal, mas achei muito voltado para a questão de negócios, superação e religião. Vou colocar meus comentários sobre ele na lista! Abraços!

  11. Patrícia Lorete domingo, 12 de dezembro de 2010 em 15:04 -  Responder

    Hoje, uma amiga me perguntou o que eu queria ganhar de Natal. Não perdi tempo… Eu quero o livro: Na minha cadeira ou na tua rsrs…

    Bjssss

    dezembro 14th, 2010 - 11:38
    Eduardo Camara respondeu:

    Boa pedida! 🙂

    Beijos!

  12. Edmar segunda-feira, 3 de janeiro de 2011 em 23:48 -  Responder

    Li – Minha Profissão É Andar (João Carlos Pecci), não gostei, não tem nada haver com o que eu passava no momento, no inicio da lesão.
    Os demais não li ainda.

    FELIZ 20111 a todos!

    janeiro 12th, 2011 - 15:48
    Eduardo Camara respondeu:

    Eu tb achei o pior deles! Lê os outros que são bons!

    Abraços e feliz 2011 para vc tb!

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão indicados com *

Connect with Facebook

Publicidade

Facebook