Opinião e cotidiano

O dia de um cadeirante azarado

13

Pra descontrair, enfim é sexta-feira:

Sexta-feira, muito trânsito (pra variar um pouco), e chegamos ao serviço já atrasados…
Eis que olho o cardápio do refeitório no Intranet* e tá lá: peixe frito no fubá. Bom, nem pensei duas vezes, chamei o boy fiel escudeiro e disse: -“bora pro shopping! hoje eu pago o sanduba!”

*Pra que não sabe, Intranet é um site interno de um empresa com informações sobre diversas áreas, inclusive o cardápio do refeitório.

E lá fomos nós. Chegamos ao Subway, ele (o boy) começa a fazer o pedido e após quase terminar de montar o lanche a moça pergunta:

– “É pagamento em dinheiro?”
–  Não, é débito.
– “Estamos sem sistema, senhor”
– Beleza, vamos embora.
(eu tenho esse péssimo hábito de andar sem 1 REAL na carteira).

E lá fomos nós, contrariados, pro Pizza Hut (genérico), já fodido da vida, pois os 5 minutos que perdemos no Subway foram suficientes pra lotar todas as mesas da praça de alimentação. Pegamos o cardápio enquanto procurávamos uma mesa e eis que de repente: puff… acabou a energia no shopping. Sem previsão de volta, nada de gerador.

Só nos restou voltar e entrar dentro do Wal Mart e comer aqueles lanches que fazem nos corredores do mercado com frios e baguete. Creio que todas aquelas pessoas do shopping tiveram a mesma idéia que eu, uma fila enorme. 3 reais um mata-fome num pão borrachudo e nada de molho especial, muito menos gergelim.  A Coca você pega quente da gôndola, pois tinha acabado a gelada devido a alta demanda não rotineira do local.

Mas nem tudo estava perdido: na ida ao caixa, passeando pelos corredores do mercado, me deparo com uma moça que. enfim, era muito “bonita” (pra não dizer gostosa) e resolvi seguí-la para apreciar um pouco. Estávamos tranquilos, apreciando o popozão da moça de bermudinha branca semi-transparente, quando ela dá um breque e vira. O boy estancou minha cadeira eu quase vou pra frente de cara, e ainda escuto:

-“Por acaso vocês estão me seguindo, ou é impressão minha?”
– Não moça, foi coincidência, aliás eu quase caí da cadeira…

Na boa, aquilo não era roupa de usar pra ir a um supermercado, aliás… deixa pra lá.

Isso serviu como uma luva pra desculpa, acho que se ela fosse me mandar um email, com certeza ela assinaria ABRAÇOS, fulana de tal – segundo o Instituto DADO de estatísticas, quando uma mulher te responde e finaliza um email com “abraços”, esqueça – você é desprezível.

Passado o ocorrido, já estava mais de meia hora atrasado…. e ainda faltava o subidão pra chegar na empresa.

Mas desgraça pouca é bobagem: chuva… muita chuva. Sabe quando chove pra caralho? Acho que nada expressa uma chuva tão forte do que “chove pra caralho”.

Molhou meu Shox branco (tênis), mano! Poderia acontecer tudo, menos molhar meu Shox branco com aqueles respingos pretos de sujeira da rua!

Mas tem a parte boa. Meu gerente, me vendo naquele estado deplorável, disse:

-“Chris, adianta seu táxi e vaza pra casa…”

FIM.

(baseado em fatos reais)

Sobre o autor / 

Christian Matsuy

Cadeirante, paulistano bom gourmet e piloto profissional (de autorama)

13 Comentários

  1. Alemendess sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011 em 19:06 -  Responder

    “Baseado em um azar real.” hehehehehe

    fevereiro 18th, 2011 - 19:35
    Christian Matsuy respondeu:

    olá Alemendess,

    não deixa de ser verdade!

    abraço
    Christian

  2. Mila sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011 em 20:07 -  Responder

    O meu, pelo menos, eu tava em casa. Só q trancada na varanda com minha cachorra, q a amiguinha de minhas sobrinhas q veio visitá-las tinha medo de cachorro.
    HumpF

    fevereiro 18th, 2011 - 20:25
    Christian Matsuy respondeu:

    oi Mila,

    Ah o meu foi pior vai?
    fala a verdade!

    Beijo!
    Christian

  3. Laura Martins sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011 em 20:59 -  Responder

    Cara, problema costuma vir em pacote grande, onde cabem vários! Mas, que bom: o final foi feliz!
    E uma dúvida: mando abraços ou beijos???

    fevereiro 19th, 2011 - 12:49
    Christian Matsuy respondeu:

    Olá Laura!

    bom eu te mandarei um beijo, mas se você reparar mais abaixo, nosso amigo Evandro acha que o Instituto Dado de pesquisas é um pouco falho!

    beijos!
    Christian

  4. Ronald Andrade Filho sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011 em 22:00 -  Responder

    Cadeirante ou não, todo mundo tem seu dia de azar! rsrsrs

    fevereiro 19th, 2011 - 12:47
    Christian Matsuy respondeu:

    sem dúvidas Ronald!

    é que quando o azar “vem a cavalo” assim, dá até medo de sair de casa!

    Abraço
    Christian

  5. Luisa sábado, 19 de fevereiro de 2011 em 03:25 -  Responder

    puta que pariu, Chris, ainda molhou seu shox branco?!?!

    desprezível… meeeeeeesmo! hahaauhhhauhauhahahahahahua
    bjs!

    fevereiro 19th, 2011 - 12:45
    Christian Matsuy respondeu:

    molhou Luisa…
    molhou e sujou! ainda estou revoltado!

    beijo!
    Christian

  6. Evandro sábado, 19 de fevereiro de 2011 em 10:34 -  Responder

    Christian, problemas nós (cadeirantes) já temos aos montes, mas acabamos pro nos acostumar…aí quando sai um pouco do controle, vem a sensação de um dia ruim…
    Esse “instituto de pesquisa” é uma furada…ainda mais quando vem depois de algumas cervejas!! kkkkkkkk

    abraço.

    Evandro

    fevereiro 19th, 2011 - 12:44
    Christian Matsuy respondeu:

    Fala Evandro!
    Então, o tal instituto foi muito incisivo em fazer tal afirmação, bom mas é bom saber uma segunda opinião!

    abração!
    Christian

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão indicados com *

Connect with Facebook

Publicidade

Facebook