Opinião e cotidiano, Transporte

Táxi em São Paulo – uso do bagageiro

6

luminoso de taxiSurgiu em nossa comunidade no Orkut, a dúvida de um cadeirante perguntando se era comum a cobrança do uso do bagageiro pelos taxistas.

Na verdade eu já sabia que não poderia ser cobrado, mas nada como ter uma fonte oficial com tal informação, sendo assim rei uma revirada no site da Prefeitura Municipal de São Paulo e estava lá o decreto assinado em 2006 pelo Sr. Gilberto Kassab e reassinado em 2010

NÃO PODE SER COBRADO! O uso do bagageiro para transporte de cadeira de rodas e outro equipamento ortopédico está ISENTO de taxa. Infelizmente tem muito taxista oportunista que além de cobrar por uma coisa que nos é de direito, fazem caminhos mais longos pra faturarem mais com a corrida. 

Na minha opinião, o serviço de táxi custa caro (em qualquer lugar do mundo eu acho), e o atendimento não condiz com esse valor. De vez em quando preciso pegar um táxi para vir embora do serviço e moro bem longe, já peguei inúmeras situações como por exemplo o taximetro já estar em R$8,70 antes mesmo de eu entrar no carro (eu ví ele ligando quando entrou no portão do estacionamento).

Assim como falado no Orkut, já houve situação onde o motorista ficou “puto” por eu colocar a cadeira no banco, uma vez que o cilindro de gás veicular impedia a utilização do porta-malas. Dava pra notar o transtorno na cara do cidadão, o pior que minha cadeira estava mais limpa que o carro dele.

Verifique a legislação vigente em sua cidade!

Bom, chega de blá blá blá e seguem ai abaixo o pedaço da lei que determina a ISENÇÃO pra cadeirantes:

DECRETO Nº 52.066, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010

Fixa novos valores para o serviço de táxis no Município de São Paulo.

GILBERTO KASSAB, Prefeito do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei,

D E C R E T A:

IV – adicional de bagagem, quando utilizado o porta malas, correspondente ao valor da tarifa quilométrica na Bandeira 1 da respectiva categoria, no valor de R$ 2,50 (dois reais e cinquenta centavos) para as Categorias Comum e Comum-Rádio, R$ 3,13 (três reais e treze centavos) para a Categoria Especial e R$ 3,75 (três reais e setenta e cinco centavos) para a Categoria Luxo, estando isentos do pagamento pelo transporte de cadeira de rodas ou de aparelhos ortopédicos as pessoas com deficiência e mobilidade reduzida, inclusive temporária, bem como os idosos.

O link para o decreto na integra você encontra aqui.

Ahh! E parabéns São Paulo pelos seus 458 anos na data desse post! 
“NON DVCOR DVCO”

Sobre o autor / 

Christian Matsuy

Cadeirante, paulistano bom gourmet e piloto profissional (de autorama)

Artigos relacionados

6 Comentários

  1. Juliana Duarte quinta-feira, 26 de janeiro de 2012 em 22:45 -  Responder

    post classe A!!

    janeiro 28th, 2012 - 13:07
    Christian Matsuy respondeu:

    obrigado Juliana!

    Abraços!

  2. Eduardo Camara sexta-feira, 27 de janeiro de 2012 em 18:35 -  Responder

    Muito bom, Christian! Mão na roda sempre informando em primeira mão e de forma confiável 🙂

    Aqui no Rio, quando ainda estava em reabilitação, um cara me cobrou e eu, idiotamente, paguei. Depois pesquisei e vi que ele não podia cobrar. Cadeira de rodas não pode ser considerada bagagem!

    Abraços!

    janeiro 28th, 2012 - 13:07
    Christian Matsuy respondeu:

    Pois é Dado, sempre tem uma primeira vez, também já paguei mais de uma vez, só que agora não pago mais, aliás faço de tudo pra não precisar de um táxi.

  3. Nickolas Marcon quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012 em 10:39 -  Responder

    Comigo acontece frequentemente outra situação: alguns taxistas não chegam nem a discutir cobrança de bagagem. Quando vêem alguém na cadeira, passam reto e pegam outro passageiro alguns metros à frente. Se estiverem no ponto, começam a dar desculpas que a cadeira não cabe, que vai sujar, estraga o banco etc. Não perco mais meu tempo discutindo, falo bem alto “obrigado por me recusar no seu veículo” e vou para o próximo na fila. Já vi gente indignada comprando minha briga e discutindo com o taxista… 🙂

    fevereiro 13th, 2012 - 15:38
    Christian Matsuy respondeu:

    É complicado!

    Gostaria de usar mais o táxi, mas pelo descaso eu acho que o preço que já é caro, acaba não valendo pela qualidade do serviço prestado (no seu caso, não prestado).

    Os táxis adaptados que têm aqui em São Paulo, requerem um agendamento prévio com muitas horas de antecedência é difícil demais de contar com eles para compromissos de última hora.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão indicados com *

Connect with Facebook

Publicidade

Facebook