Arquitetura e Urbanismo, Dicas, Transporte

Vagas reservadas: você está fazendo a sua parte?

8

espertinhoEnquanto lia o site do jornal O Globo neste chuvoso fim de tarde de sábado no RJ, encontrei um artigo assinado pelos jornalistas Rafael Galdo e Waleska Borges falando sobre o desrespeito dos motoristas às vagas reservadas para deficientes físicos e idosos (clique aqui para ler a reportagem). A reportagem citava várias pessoas flagrados pelos jornalistas com aqueles desculpas esfarrapadas que todo mundo já está cansado de ouvir: “é rapidinho”, ou “estou sem tempo” etc. etc.

Ok, esse assunto está mais do que manjado, já estamos falamos sobre isso desde que o blog foi criado: 

Não há vagas
Sem dó nem piedade
Vagas reservadas – duas boas soluções pra quem tem espaço
Dia de Fúria – Vaga no shopping
Placa de responsa!
Ser ou não ser?
Vagas pra quem?

Mas dessa vez não estou aqui para passar a mão na cabeça de ninguém. Quero escrever sobre outro lado da história: será que nós, deficientes, estamos fazendo a nossa parte? Isso vale para quem dirige ou para quem é só passageiro…

Todo mundo colou o adesivo identificador no seu carro, né? E a licença de estacionamento, aquele cartão que deve ser solicitado ao poder público, aposto que todo mundo deixa no painel quando estaciona, certo?

Só que não. Canso de ver carros usados por deficientes que não têm nenhuma identificação. E olhe que estou falando só dos carros em que eu conheço o usuário ou dos que vejo a pessoa que faz jus ao benefício entrando/saindo do veículo.

Agora imaginem a cena: você chega num shopping em que há um funcionário encarregado de zelar pelo correto uso das vagas reservadas. Aí um espertinho tenta colocar o carro na vaga reservada, o funcionário do shopping explica que ele não deve utilizar, o espertinho insiste e diz “ah, mas todo mundo está colocando aqui, por que eu não posso?”. Se você fosse o funcionário, como iria explicar que os carros são sim de deficientes se os mesmos não tivessem identificação? Outra coisa: se um guarda de trânsito fiscalizar um carro estacionado numa vaga reservada (acreditem: isso acontece), certamente vai lavrar uma multa se não encontrar o cartão de identificação.

O fato é que muita gente não faz a sua parte, não identifica o carro, não usa o cartão. Alguns têm medo de assalto, outros é só preguiça mesmo. Falta de tempo não é desculpa.

Os adesivos identificadores podem ser encontrados em qualquer banca de jornal. Já o cartão de licença dá um pouco mais de trabalho, mas nada impossível. Normalmente ele é concedido pela secretaria de trânsito da cidade ou pelo Detran, quando a cidade não tem um órgão próprio de trânsito. Num dia você leva os documentos certos, algum tempo depois volta para retirar o cartão. Simples assim.

Para quem mora na cidade do Rio de Janeiro, a licença especial de estacionamento deve ser solicitada nos postos de atendimento da Prefeitura. Mais instruções, relação de documentos e os endereços dos postos de atendimento podem ser vistos clicando aqui.

Em São Paulo, deve ser providenciado o cartão DeFis. Aqui você encontra como adquiri-lo.

Como poderemos cobrar respeito dos outros se não fazemos a nossa parte? Pense nisso.

Sobre o autor / 

Nickolas Marcon

Artigos relacionados

8 Comentários

  1. Rafaello Perotto domingo, 1 de dezembro de 2013 em 18:06 -  Responder

    É uma cena muito comum… chego no shopping e todas as vagas de cadeirante estão ocupadas por carros sem adesivo… mas então? são realmente todos carros de pessoas desrespeitando a vaga, ou existem ali no meio cadeirantes que simplesmente não identificam o carro…

  2. Eduardo Aranha Luz domingo, 1 de dezembro de 2013 em 21:04 -  Responder

    Não é tão simples assim, Nickolas. No interior, a estória é outra.
    Há cerca de 3 anos tento obter essa bendita credencial no Departamento Municipal de Trânsito da cidade onde moro (Santo Antônio de Pádua/RJ), mas não consigo, porque o município não era integrado ao Sistema Nacional de Trânsito. Tentei obtê-la com o Detran/RJ, mas o órgão me informou, por escrito, que o município estava integrado (o que era mentira).
    Na 2ª feira passada (25/11/2013), estive no Departamento Municipal de Trânsito (DEMUT) e o atual responsável me disse que o município fora integrado ao Sistema Nacional de Trânsito recentemente e que, em poucos dias, a minha credencial ficará pronta. Aguardo pacientemente.
    Em 2010, houve uma ocasião em que estacionei o meu carro (que tinha apenas o adesivo com o símbolo internacional de acesso) numa vaga reservada para def. físicos na Tijuca, bem em frente a uma loja de cadeira de rodas. Pouco tempo depois apareceu um guarda de trânsito e um guincho para rebocarem o meu carro. Quando percebi, saí imediatamente da loja e fui conversar com o guarda. Graças a Deus, o carro não foi rebocado e eu não fui multado. O guarda viu que eu era de fora do Rio de Janeiro, cadeirante e que estava dentro da loja. Ele me orientou a estacionar o carro numa outra vaga e ainda me disse para não parar mais nessas vagas sem a credencial. Por sorte, havia um estacionamento próximo, mas tive que pagar para estacionar.
    Noutra oportunidade, em 2012, eu estava tentando estacionar numa vaga reservada no estacionamento do TJRJ, no centro do Rio de Janeiro, e um guarda do próprio TJRJ me orientou a não estacionar porque poderia aparecer um guarda municipal e multar o carro ou – quem sabe? – rebocá-lo.
    Na cidade onde moro, ninguém sabia sobre a necessidade de se usar essa credencial. Quando fiz o primeiro pedido ao DEMUT, as pessoas que lá trabalhavam nem sabiam do que se tratava. Nunca tinham ouvido alguém mencionar a Resolução 304/2008 do CONTRAN.
    Aqui, o desrespeito às leis de trânsito é total e (ainda) não acontece nada, uma vez que o município não é integrado ao Detran. Há poucos dias, não consegui usar uma rampa de acesso porque um m(au)torista havia estacionado o possante dele em frente, impedindo a passagem de qualquer pessoa. O sujeito estava tomando sua cerveja num quiosque em frente ao carro, viu que eu queria passar pela rampa e nem se moveu. Tive que descer a calçada pelo meio-fio mesmo, com a ajuda de terceira pessoa.
    O responsável atual pelo DEMUT me disse que, a partir da próxima semana, vão começar a multar quem infringir as normas de trânsito, inclusive quem estacionar irregularmente em vagas para def. físicos e idosos. Aguardo pacientemente.
    Só espero que nenhum figurão “bonzinho” da Administração Municipal fique com pena dos infratores e cancele as eventuais multas.
    Um abraço.

    dezembro 9th, 2013 - 18:14
    Nickolas Marcon respondeu:

    Eduardo Aranha Luz, em alguns lugares realmente as coisas demoram a acontecer, principalmente quando falamos de cidades do interior. Como você relatou, às vezes as autoridades não têm sequer o conhecimento da legislação que deveriam zelar pelo cumprimento. Nesses casos, a única saída é cobrar e insistir para que a lei seja respeitada.
    Um abraço.

  3. paul sábado, 21 de dezembro de 2013 em 16:56 -  Responder

    RIDICULO

    criam uma credencial pro D. se ele É D usa cadeira e para no lugar certo ele NÃO PODE ESTACIONAR ??!!

    RIDICULO.

    bom q guarda foi consiencioso.

    Agora este doc – como obter fora da gde cidade??

    — ps esse problema ocupar lugar reservado NUNCA terá solução!!

    janeiro 3rd, 2014 - 18:13
    Nickolas Marcon respondeu:

    Paul, infelizmente a falta de educação das pessoas obriga a esse tipo de ação: para haver alguma fiscalização/punição, a autoridade precisa saber quem realmente precisa usar a vaga, daí o motivo de ter o cartão. Em alguns países isso é feito através de um lacre ou símbolo especial na própria placa do veículo.
    Um abraço.

  4. Eduardo Carvalho quinta-feira, 2 de janeiro de 2014 em 20:49 -  Responder

    Eu não sou cadeirante, uso duas bengalas canadenses, pois tive pólio aos 3 anos (62) nas duas pernas, uma se recuperou em parte, mas, quebrei tíbia e perônio (tem outro nome agora) de uma perna, rompi os ligamentos do joelho da outra…e vamos levando.
    Eu uso o cartão para estacionamento de deficientes desde que foi lançado no Rio, tive o n°0001 e até hoje, não sei pra que isso. Não há respeito nas vagas, até a própria polícia ou Guarda municipal estacionam ali e se vc reclama, ainda lhe ofendem. Em lojas, supermercados, shoppings (exceto o Botafogo Praia Shopping) não há o mínimo respeito. Uma senhora com seus filhinho, se acha no direito de usar a vaga, idoso idem, taxitas, esses são campeões. Pra ele ali é um lugar reservado pra taxi e se tiver espaço para deficientes. Duvido vc chegar no shopping da Tijuca (o pior deles e com gente mal preparada) encontrar uma vaga pra deficiente no horário de pico, ou pior ainda, ver um carro com o cartão oficial para uso de tal vaga…Infelizmente, não respeitam, flanelinha não quer vc ali, ele acha que não vamos dar a graninha extorquida de nós por eles…quem tem necessidades… tire a licença na prefeitura de sua cidade, hoje ela vale em todo território nacional.

    janeiro 3rd, 2014 - 18:19
    Nickolas Marcon respondeu:

    Eduardo, tudo que você colocou é verdade, mas ainda há esperança. Já vi casos de autuações em veículos estacionados indevidamente sem o cartão na rua, mas em estacionamentos particulares essa regulamentação não é clara na maioria das cidades. Teoricamente, o shopping poderia chamar a Guarda Municipal para autuar algum carro estacionado sem identificação, mas ou não sabem como fazer ou não querem se indispor com os clientes que estacionaram nas vagas. Complicado…
    Um abraço.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão indicados com *

Connect with Facebook

Publicidade

Facebook